Paraty: o lindo calendário das festas populares

A Procissão do Fogaréu, na Semana Santa, percorre as ruas do Centro Histórico iluminadas apenas pelas tochas

O tema está em alta. O segmento do turismo religioso é um dos que mais cresce no mundo. O setor movimenta hoje mais de 300 milhões de viajantes e US$ 18 bilhões por ano. Pegando carona nessa onda e aproveitando que este blog andou passeando por Paraty recentemente, achei oportuno publicar uma listinha com as principais festas religiosas do Centro Histórico, que normalmente pegam dois fins de semana: duram dez dias – têm uma novena com procissões noturnas que vão de uma sexta ao sábado seguinte e no domingo as celebrações se encerram com missas solenes, com cânticos e reflexões. É bem bonito.
Todas as festas são pratos cheios aos que querem fazer um turismo de experiência, acompanhando ou participando de uma celebração à moda antiga num cenário que mudou pouco nos últimos três séculos. Os rituais, a indumentária e as ladainhas também se mantêm fiéis ao passado. Para fotógrafos são um prato cheio. Para fotógrafos, atores, curiosos, figurinistas, beatos, músicos, sociólogos… Pra um monte de gente, de uma maneira geral. Os melhores momentos para se conhecer Paraty, tatear a alma do povo e vivenciar o que é esse lugar tão mágico, são os dias de festas religiosas.
Conhecer um pouquinho da história é bom. Fica tudo mais interessante ao saber que as igrejas da cidade eram estratificadas pela condição social, como são até hoje. Na Matriz e na Igreja de Nossa Senhora das Dores, as famílias ditas nobres. Na Igreja de Santa Rita, os pardos libertos, como se chamava. Na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, os negros. Isso explica a disposição das construções, o seu estilo arquitetônico e localização e as festas que hoje abrigam.
Dos templos católicos do Centro Histórico de Paraty, a única que não recebe festa importante é a de Nossa Senhora das Dores, a mais ignorada de todas as quatro que existem ali, a igreja das senhoras religiosas (apesar de que na Festa do Divino de 2001 eu comi ali um inesquecível bobó de camarão preparado pelas beatas por módicos R$ 6 – e olha que eu poderia me servir quantas vezes quisesse, mas fiquei só no primeiro prato, que era de plástico, assim como o garfo e o copo o guaraná tubaína. Que delícia). Com uma única torre, branquinha de cal e fora das ruas por onde circulam os turistas, está voltada para a Baía de Paraty, perto do Rio Perequê-Açu, a uns três minutos de caminhada a partir da Igreja da Matriz. Fica na Rua Fresca, a mais próxima do mar e da brisa, e eu acho incrível este nome de rua.
Mas vamos às festas, razão deste post:

Folia de Reis Acontece em vários dias durante a primeira quinzena de janeiro, mas não é tarefa fácil ver as apresentações que ultimamente têm se concentrado na Casa da Cultura de Paraty. Acontecem esporadicamente. Eu ainda não consegui ver.
Quando: na primeira quinzena de janeiro.

Semana Santa – A festa começa no Domingo de Ramos. Depois tem Missa dos Óleos, na quarta. À meia-noite de quinta para sexta, depois da cerimônia do Lava-Pés, acontece a Procissão do Fogaréu, com a cidade iluminada apenas por tochas. Na sexta, a abertura das portas dos Passos da Paixão (restam apenas seis) revelam altares simples, mas belíssimos, que só podem ser vistos neste dia (ou na foto lá de cima). No domingo, entre diversas lindas manifestações (a missa da manhã na Igreja do Rosário é lindíssima), é levantado o mastro do Divino, centro da liturgia paratiense até a próxima festa, que começa exatamente 40 dias depois de hoje.
Quando: De 2/4 a 4/4.

Festa do Divino – Para o paratiense, é a maior festa do calendário, começa 40 dias depois do Domingo de Páscoa, numa sexta-feira que inaugura uma comovente novena. A cidade se enfeita de bandeirolas vermelhas e brancas, as cores da celebração. No último fim de semana é comum ouvir bandas tocando pelas ruas lotadas de gente. É festa de verdade. Na quermesse as barraquinhas fervilham madrugada adentro. E haja gabriela, e haja parati. As casas arrumadas com formosura exibem altares e imagens da pomba, símbolo do Divino Espírito Santo, o nome completo dessa entidade católica ou Deus, como preferirem. Os moradores mantêm vivas as tradições trazidas ao Brasil pelos imigrantes portugueses, coroando um menino imperador. Entre os momentos mais aguardados estão as apresentações da congada de Cunha (SP), que desce a serra há mais de um século para comemorar cantando e dançando as tradições em frente à Igreja da Matriz. Até a década de 80 um preso era libertado pelo imperador, como se fazia noutros tempos nesta data, mas hoje o ato é só simbólico – ainda bem. Se a Festa do Divino é a mais importante para o nativo, é natural que seja uma data atraente para os turistas. Pode ir, é diversão na certa. E, no domingão final, ainda tem show na praça. Há uns anos vi Morais Moreira e tem sempre gente boa tocando no encerramento. Com direito a barraquinha de pipoca, correio do amor, pescaria com ventilador como prêmio, espetinho de salsichão com farofa…
Quando: De 22 a 31/5.

Corpus Christi – Não é muito diferente do que acontece no resto do país. Tapetes de serragem, areia, café e todos os materiais que a imaginação permitir colorem as ruas do Centro Histórico. Bom para os fotógrafos, que ganham um cenário diferente para o fotogênico conjunto arquitetônico da cidade.
Quando: 03/6.

Festa de São Pedro e São Paulo – É a mais caiçara de todas as festas. Pescadores que são, muitos moradores devotam a São Pedro sua maior fé. No último dia, na procissão marítima, barcos partem do cais do Centro Histórico para navegar até a Ilha do Araújo. A pesca do camarão está no seu auge, logo após o defeso que impede a pesca. E você pode imaginar o que significa isso, né? Fartura. Não à toa, poucos dias antes Paraty abriga o Festival do Camarão, na mesma Ilha do Araújo.
Quando: 25/6 a 04/7.

Festa de Santa Rita – O lado profano da festa acontece no gramado diante da Igreja de Santa Rita, aquela que aparece nos cartões-postais tirados do mar, sabe qual é? Aquela mais próxima ao cais, toda branca e que abriga o Museu de Arte sacra. Na quermesse, prove o camarão casadinho e as outras especialidades marinhas da barraca do Ditão do Corumbê, um dos melhores quituteiros de Paraty que sai da toca em família para exibir seus dotes culinários nas maiores festas. A lula recheada é fantástica.
Quando: De 9 a 18/7.

Festa de Nossa Senhora dos Remédios – De todas é a mais modesta, o que não deixa de ser curioso, afinal é a santa padroeira da cidade. Acontece na Igreja da Matriz e é a que menos merece atenção do turista. A novena coincide com o feriado de 7 de setembro, em anos em que isso significa alguma coisa em termos turísticos.
Quando: De 30/8 a 08/9.

Festa de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário – É a Festa do Divino dos Negros. Agora o domingo de encerramento dos festejos acontece o mais próximo possível do Dia de Zumbi, 20 de novembro. A liturgia é bem parecida com a Festa do Divino, com coroação do imperador, roupas de época, festeiro etc. Com a diferença de que a Festa de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário foi criada há séculos para que os negros não participassem dos festejos dos brancos. Acontece na mais singela igreja de Paraty, a de Nossa Senhora do Rosário, construída por escravos nas bordas da cidade. Como não podiam erguer uma igreja grande, os escravos capricharam no acabamento: os entalhes do altar e todo o interior são os mais lindos de Paraty na minha opinião.
Quando: De 12 a 21/11.

Clicando aqui você vê toda a programação cultural de Paraty, incluindo as festas religiosas tanto do Centro Histórica quanto nas demais localidades do município, como Penha, Ponte Branca e Jabaquara.

Índice de posts de cidades no estado do Rio de Janeiro: clique aqui.

About these ads

7 Respostas to “Paraty: o lindo calendário das festas populares”

  1. Cris Beltrão Says:

    Linda a foto!

  2. Índice de posts de cidades no Rio de Janeiro « Rio de Janeiro a Dezembro Says:

    [...] Paraty: o lindo calendário das festas populares – Paraty em foco – Ilha do Araújo, em Paraty: vida de [...]

  3. wesley Says:

    Pontos Turísticos

  4. gustavo Says:

    essa festa e muito boa

  5. José Carlos Lambert de Souza Says:

    Neste ano de 2012 a Capela de Nossa Senhora das Dores teve a sua primeira grande Festa … Entrando agora para o Calendário… de 12 a 15 de Setembro

    • zeca Says:

      A Igreja de Nossa Senhora das Dores, é a mais procurada hoje, ela está sempre aberta aos turistas… E sua Festa também já está muito concorrida !!!!!!! de 12 a 15 de Setembro !!!!!!!

  6. sinara Says:

    gostei muito desse site,achei as informaçoes que precisava sem demorar nada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 982 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: