Dicas gastronômicas de Paris por Roland Villard (e um pedido do blogueiro por outras)

Paris é, sem dúvida, a grande falha no meu currículo de viajante.
Quase passei o último reveillon lá, mas não deu.
Enfim vou endireitar esse desvio de caráter turístico em maio, quando pass uns dez dias por lá, vistando também Champanhe.
Ulalá.
Nunca nenhuma viagem me deixou tão animado e ansioso.
Culpa, não só dos dias de flaneur por Paris, mas também pelas borbulhas que passarão pela minha taça, pelas visitas às caves.
Porque o que seria da nossa vida se não existisse o champanhe?

 Apesar de longa coleção de guias de viagem, sempre recorro aos amigos antes de qualquer jornada.
Desta vez não foi diferente. Escrevi para o Roland Villard, chef do Le Pré Catelan (leia sobre o novo menu aqui), pedindo uma dicas (gastronômicas, claro).
E ele logo me respondeu. Achei que seria legal dividir com vocês.
E aproveitar para pedir mais umas: Quem tem dicas de restaurantes, bares, bistrôs, lojas de vinhos e outras coisas gostosas, entre Paris e Champanhe? Algém me ajuda a montar o meu roteiro?

E diga lá, Roland.

“Olá Bruno, Não te esqueci. Vou te passar alguns endereços interessantes em Paris.
O restaurante Bistrot é, para mim, a melhor relação custo-beneficio (mais ou menos 30 euros uma refeição).
O La fontaine de Mars, (onde foram o presidente Obama e esposa quando estava em Paris, também é ótimo. Fica na 129 Rue St Dominique, 75007 (Téléphone: 01 47 05 46 44).
Fui também no Bistrot Le Troquet fui. Muito bom. Escolha o menu degustação de cinco serviços a 35 euros. Este fica na 21 rue François Bonvin 75015 (Téléphone: 01 45 66 89 00).
Já o Pinxo é o bistrot de um chef três estrelas no Michelin, o Alain Dutournier. Está na 9 rue d’Alger 75001 (Téléphone: 01 40 20 72 00).
Um restaurante a ver é o Train Bleu. Está na estação de trem da Gare de Lyon, em Paris. É um restaurante de época, da “Belle Epoque”, muito bonito para entender um pouco da história, porque naquele período as estações de trem eram lugar de encontro entre as pessoas. Vale a pena de subir no primeiro andar e entrar nesse restaurante. É maravilhoso.
Também recomendo o Le violon d’Ingres (135 Rue St Dominique, 75007 Téléphone: 01 45 55 15 05).

Uma loja boutique a ver é o Fauchon, na place de la Madeleine. Entre e coma uma das tortas, excepcional…
O melhor mil folha da cidade você encontra no Café de la Paix, no Opera, que faz parte do Grand Hotel.

Só com isso você vai voltar com 10 quilos a mais.

Abs, Roland”

 Obrigado, Roland.

Um abraço

Anúncios

19 Respostas to “Dicas gastronômicas de Paris por Roland Villard (e um pedido do blogueiro por outras)”

  1. Dri Says:

    Muito úteis mesmo essas dicas, pq estarei em Paris de 09 a 13 de maio e em Reims/Epernay de 13 a 16. E vc?? Será q nos cruzamos?

    Falando em Reims, fiquei INDIGNADA com a falta de profissionalismo da Krug e da Ruinart. Por ser feriado lá dia 13, a Krug simplesmente vai ENFORCAR todos os dias até a segunda seguinte, o que impossibilitou minha visita. E, enquanto eu aguardava essa resposta, a Ruinart simplesmente ignorou minha pre-reserva alegando uma falha de comunicação e disse que não teria como me receber…

    Vc (ou alguem) por acaso tem dicas de vinicolas menores que essas grandonas batidas e badaladas???

    • brunoagostini Says:

      que folga, hein
      eu devo viajar de 20 a 30 de maio. Tente a Deutz, a Henriot, a De Souza, e a Drappier, que faz o champanhe de melhor relação custo-benefício para mim, entre os mais baratos, o Carte d’Or.

  2. Dri Says:

    Aproveitando o assunto: Free Shop de Paris, rolam boas garrafas de champagne por preços competitivos? Minha questao é que nao sou maluca de colocar garrafas de champagne na mala, para q elas fiquem sacudindo loucamente no aviao e entao pensei em comprar no freeshop de lá para q elas pudessem entrar no aviao comigo…

    Mas nao consegui achar um site do freeshop deles que me desse essa informaçao, como o do Brasil dá…

    • brunoagostini Says:

      sobre o Free Shop não poderia dizer. Mas sobre champanhes na mala, não tema: já despachei algumas vezes e nunca tive problemas.

  3. saboreando Says:

    Nossa, mas tá muito chique! Dicas de Paris, por Roland Villard!
    Uau! Deu água na boca!

  4. Constance Escobar Says:

    Amo Paris. Minha lista é interminável, nunca consigo cumprir, A cada vez que vou, já volto me sentindo em dívida. Posso meter o bedelho?
    O Le Violon d’Ingres que o Roland te indicou é ótimo (por favor não deixe de provar o suflê de Grand Marnier com calda quente de caramelo salgado de lá!). Aliás, sou fã do Violon e dos outros restaurantes do Christian Constant – o Café Constant pra comida de bistrô e o Les Cocottes pra uma experiência informal, deliciosa, naquele balcão charmosíssimo.
    Um restaurante onde tentei ir no ano passado, mas não consegui reserva, e que as fontes mais confiáveis asseguram ser um dos melhores de Paris é o Chez l’Ami Jean. Não deixe de ir.
    Fora isso: não deixe de comer os macarons, o croissant, o pain au chocolat, os sablés de chocolate do Pierre Hermé; os pães da Poilâne; os chocolates e os caramelos do Jean-Paul Hévin, os chocolates, os caramelos e o mil-folhas de chocolate do Jacques Jenin; os macarons da Ladurée; os queijos do Barthelemy, do Androuet ou da Ferme Saint Aubin; o sorvete da Bethillon. E fazer muitas, muitas compras na Hédiard, na Fauchon e, especialmente, na Grande Epicerie de Paris.
    Lá no blog tem post sobre vários desses lugares.
    Quando você voltar, deixe suas dicas aqui, tá?!

  5. Júlio Says:

    Vc tem muito tempo até lá.Vá até http://www.deuxl.com/.Vou te mandar email ,ok??

  6. Rafael R. Says:

    O Train Bleu que o Roland citou vale muito, principalmente pelo ambiente.
    Na mesma rua do Fontaine de Mars tem o Les Cocottes, nessa onda de chefs famosos que abrem versões moderninhas e com preço em conta. Não tem cardápio, pratos só no quadro de giz, e todos servidos em panelinhas Staub.
    Nesse mesmo estilo o Atelier Robuchon é ótimo…
    Recomendo um outro bistrozinho bem tradicional pros lados de Saint Germain que é o l’Epi Dupin!

  7. Juliana Amorim Says:

    E eu aproveito todas as dicas , já que chego a Paris no dia 12 de junho!! Bem nos dias dos namorados!!!! Meu marido ainda não se deu conta , mas eu perdoo!!! PAris já me basta!

  8. Cris Beltrão Says:

    Achei o máximo as dicas da Constance, que sempre manda bem no seu blog, aliás. O Chez l´Ami Jean é simplesmente uma guerra pra conseguir reservas. Pato inesquecível. O L´Epi Dupin e o pequenino Cinq Mars são meus bistrôs preferido. O 2.000 folhas de chocolate do Pierre Hermé vale uma ida a Paris, a Brasserie Balzar, pertinho da Sorbonne é um clássico.Ando apaixonada pelo bagunçado Le Loir dans la Theiére pra qualquer hora do dia. O Mama Shelter é o novo hotspot badalado. Comida de rua na Rue de Rosiers. Tomar um chá Pur Er Milesimé lá no Jacques Genin e mais um monte de coisas que me deixou com água na boca! O Atelier do Rebouchon é sem dúvida o melhor custo-benefício para um jantar “big bucks”. Le Gourmet de Ternes para carnes, tapas na Helene Darroze. Endereços todos vc sabe aonde!!!

  9. Manoela Says:

    Tem o óbvio sorvete Berthilon na Ile St Louis… o delicioso bistrô Chez Andre (super tradicional) na rue Marbeuf, perto do Arco do Triunfo… aliáaaas, é a mesma rua do Relais de L’Entrecote (que só vende entrecote com frites, tem uma fila homérica na hora do almoço, não aceita reserva e é divino). Não deixa de ir tb no Bercy Village. Não me ocorre nenhum extraordinário lá, mas é um ambiente ótimo. Uma antiga estação/armazém que virou centro de barzinhos e boutiques. Na dúvida, senta no Nicolas (loja de vinhos) e seja feliz! Eu já comi no Chai, mistura de restaurante e balada, com uma baita adega. Vale. Por fim, tem um bistrô pequinino chamado Florimond (que acho que tá em algum guia brazuca agora, pq a gente ouve um pouco de português por lá, fazer o que). Não lembro a rua, mas é no metrô Ecole Militaire. Cinco mezinhas, um garço simpaticão e comida da melhor. E não me volte de Paris sem comer um Falafel no Marais, ali perto da Place des Vosges (no As du Falafel, fila gigante, melhor falafel de Paris). Bem, não sou o Roland, mas quebro um galho, vai…

    Ah, sim, importante: para o Falafel, nada de entrar e sentar no restaurante. Compra no balcão e senta no meio fio. Combinado?

  10. Júlio Says:

    Juliana, veja o endereço acima e procure Lena.
    Moradora desde de 1980.Saca o site dela.
    Super antenada e sabe td de lá.
    Qqr coisa mande um email pra mim e te repassado o tele dela .
    Vc ainda é Vascaína ?????

    • Juliana Amorim Says:

      Oi Julião!!! Eu ainda sou vascaina, o sentimento não pode parar! Já passei tanta vergonha que pega ate mal virar a casaca agora :-S
      VAleu pela “dicona”!! Eu entrei no site da Lena , o deux L e achei super bacana! Depois te mando um mail, mas não quero incomodar ninguem viu rapaz!

  11. Julio Calmon Says:

    Chego lá no dia 1° de junho. Vou copiar suas dicas. ABS!

  12. brunoagostini Says:

    Merci, merci a toda a rapazida.

  13. Leandro Says:

    Não conheço Paris, mas numa primeira vez acho que vale tentar conseguir reserva para um jantar 3 estrelas, já ovi falar bem do Ledoyen…

  14. Joffre Aschar Says:

    Paris… pra você especialmente… Algumas dicas que pra mim serviram:

    1 – A primeira vez que fui, o amigo e enófilo Claudio Werneck me recomendou a enoteca Lavinia (descendo na estação de Metro Madeleine, é quase do lado) e realmente foi BEMMM bacana. Mas reserve uma manhã só pra isso. De lá vc pode ir andando pra Fauchon, que tb é realmente um evento.

    2 – Os MERCADOS popilares de paris são, na minha opinião, onde se come melhor! Produtos frescos que parecem posar para foto! E a variedade de especiarias dos países vizinhos lá é muito acessível. Recomendo o pequeno mercado de San Quentin, ao lado da Garre du Lest.

    3 – Não perca tempo nos Cafés da Chams Eliseés… lá é pra andar e conhecer as lojas. Deu vontade de tomar “du café”? Virgin Records tem um ótimo expresso em meio a variedade de livros. Deu fome? Tem uma creperia muito bacana na frente da saída do metrô Franklin Roosevelt (no meio da Champs)

    4 – Visite O Sacre Coer, mas saia antes do hotel e no caminho do metro à catedral pare em uma daquelas lojinhas de bairro pra tomar uma garrafinha de borgonha e um tira gosto a um preço bem acessivel… preço de loja.

    5 – Muito Croisant au Beur, muito vinho daqueles que não se encontra nas importadoras…. de pequenos produtores regionais. Um pouquinho do frances ajuda a ganhar a simpatia dos atendentes e receber as melhores recomendações.

    6 – No mercado, não deixe de provar o queijo da região de COMTÉ, preferencialmente o de 12 meses pra cima… imperdível.

    7 – Agende uma visita ao Le Cordon Bleu… vale a pena o passeio por lá.

    8 – Uniformes de cozinha? Bragard! Uma grande loja a preços MUITO ACESSIVEIS atras da Garre du Lest.

    Fizemos umas 2 ou 3 materias sobre tudo isso em http://www.chefeemcasa.com.br

    Forte abraço
    E quando for, me chame… não hesito em voltar sempre que puder!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: