Bom pra caralho: o delicado e delicioso jantar da chef Luisa Marelli Valazza no Le Pré Catelan

Já passava das 23h quando a chef Luisa Marelli Valazza invadiu o salão do Le Pré Catelan, aplaudida com entusiasmo pelos presentes que lotavam todas as mesas. Ainda faltava uma sobremesa, mas os felizes comensais já se davam por satisfeito. Pareciam todos contentes por terem gastos R$ 320 (mais 10% e mais bebeidas) para poder estar ali. O jantar, em toda a sua simplicidade e elegância, foi sublime. Do começo ao fim e, na minha opinião, ainda mais no começo e no fim.

Depois de brincar com pães, azeite, manteiga e torradinhas, indispensáveis no Le Pré Catelan, (a torrada-carpaccio, finíssima, regada com azeite de ervas, é a minha favorita).
Começamos o percurso divinamente no prato que para mim se revelou o melhor de todos, apesar de sua aparência, digamos, fálica. Indecente… de tão bom.


Neste ângulo me parece melhor. Apesar da pinta pouco convidativa, ao menos para mim, estava uma delícia. Era um canudinho de berinjela com tomate fresco e uma dupla de vieiras apoiada sobre um pesto. Tudo em harmonia, uma delicadeza só, a vieira macia, os cubinhos de tomate com acidez bem domada, cortados com extremo cuidado. Até os risquinhos de redução de balsâmico (acho eu) não estavam ali de bobeira, era ótimo lambuzar neles as vieiras.

O segundo ato também se enquadra na categoria divino: era um creme de feijão branco, espesso, cremoso, rico, como um caldinho preparado pela mãe zelosa para o filinho pequenino. Sobre esta estofo confortável se acomodaram alguns lagostins, naquele ponto de cozimento que só mesmo os grandes chefs alcançam, que se pode chamar de al dente, com a carne resistindo suavemente à mordida, praticamente crua ainda. Para dar uma tensão nesse quase marasmo entra em ação uma lâmina de bacon, crocante, salgada, gorda, e umas folinhas de espinafre bebê, dando um leve amargor em textura aveludada. E ainda tinha um molhinho de ervas e azeite, concendendo frescor. Simples, bonito, delicioso.

O passo seguinte também encantou pela leveza, simplicidade e sabor; era um fazzolletti caseiro de sêmola de grano duro com mini leitão ao tartufo nero. Este primo do ravióli foi servido com esta carne suína desfiada, de sabor delicado com um molho provavelmente originário de seu próprio cozimento, sublinhando o sabor. As lascas de trufas negras “de verão” é que não estavam tão aromáticas (seriam do verão passado?) como se espera, mas deram uma levantada no prato, de leve.

A seguir, um filé em crosta de avelã com molho de Barolo. A carne estava no ponto certo, a crosta de avelã causava uma interessante e inédita sensação gustativa, reunindo sabores conhecidos por mim, mas nunca apreciados em conjunto. O molho de vinho também estava legal. Mas este prato eu pularia (aliás, nesses longos menus degustação, tenho notado que os pratos de carne do final sempre me agradam menos que os outros, apesar do blogueiro ser um carnívoro convicto) – embora seja preciso dizer que adorei os minilegumes e esta massinha crocante com gergelim.

E as sobremesas não foram brincadeira, honrando a tradição italiana.
Não é preciso descrever muito para ver como estavam bons, primeiro o parfait de limão siciliano e molho cítrico ao aroma de baunilha (com esses pistaches caramelados que valem o ingresso)…

… e logo em seguida o bunet, um pudim piemontês com zabaglione al moscato, …

Mas que pena. Equeci-me de tirar as fotos dos petit fours, que sempre são ótimos no Le Pré Catelan, mas ontem estavam ainda acima da média da casa, me parece que com um toque da turma do Al Sorriso, porque alguns não estou habituado a ver ali, como uma aglomerado de castanhas carameladas e uma espécie de madeleine com pistache fabulosa.

Pergunta se vale R$ 320? Vale.
Pergunta se eu pagaria por esse jantar esse valor?
Não poderia, na minha atual conjuntura financeira. Isso  não significa que não valha a pena. Vale, sim. E sorte de quem pode pagar. Ou de quem tem amigas generosas…

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro: clique aqui.

Anúncios

7 Respostas to “Bom pra caralho: o delicado e delicioso jantar da chef Luisa Marelli Valazza no Le Pré Catelan”

  1. Dri Says:

    Pergunta se eu tinha dúvida que seria sensacional? Não
    Pergunta se eu tinha dúvida de que ficaria com água na boca? Não
    Pergunta se eu continuo achando caro? Sim
    E, mais importante de tudo:

    Pergunta se a sua amiga não quer adotar mais um amigo carente!!!

    =)

  2. Rosangela Says:

    Desnecessário esse título. Totalmente deselegante.
    Excelente matéria, mas infelizmente o que ficou foi a inapropriação do título.
    Em respeito aos seus leitores pediria a gentileza de adequar melhor as palavras.
    Agradeço.
    Rosângela

  3. Gustavo Pinheiro Says:

    Achei o título totalmente adequado ao primeiro prato servido. 🙂

  4. Laíze Damasceno Says:

    Adorei! Ousado! Bom pra caralho…

  5. tatiana Says:

    pô mas parece um caralho mesmo, ué! com ovinhos e tudo! ahahahahahah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: