Rio Minho: restaurante mais antigo do Rio, inaugurado em 1884, um porto seguro para comer pescados

A porta de vidro para o salão refrigerado: entrada do restaurante mais antigo do Rio de Janeiro, segundo do Brasil, inaugurado em 1884

Era uma barganha. E me lembro bem do preço e ocasiões, todas elas (ou quase todas). E olha que foram muitas.
Dizer que me lembro do preço é meia verdade. Recordo-me só mesmo que era barato, coisa de uns R$ 12, numa quantidade que acredite você dava até para dividir entre duas pessoas sem fome avassaladora, o que não é o meu caso (mas já vi duas damas e até casais, repartindo o prato farto, transbordando tentáculos de polvo).

A fachada do Rio Minho, outro clássico carioca

O cardápio do Rio Minho, o restaurante mais antigo do Rio de Janeiro e, segundo constam os arquivos históricos, o segundo mais velho do Brasil, atrás apenas do espetacular Leite, em Recife, mas, pois bem, o cardápio do Rio Minho não é extenso nem curto, trazendo uma seleção de receitas que valoriza os pescados que o dono, o espanhol Ramon Dominguez, vai diariamente buscar em Niterói (o restaurante já pertenceu a portugueses, daí o seu nome, mas desde a década de 1980 o dono é esse espanhol zeloso, que dá expediante ali todos os dias).
– Acordo uma três e meia para logo depois das quatro estar chegando ao mercado para comprar peixes, crustáceos, mariscos.

A fachada do restaurante na Rua do Ouvidor: o "bunda de fora" está escondido na Avenida Alfredo Agache, com vista para a Perimetral

O restaurante inaugurado em 1884 tem ambiente à moda antiga, e garçons como tal. Mas no salão refrigerado, confesso, estive pouco, umas cinco vezes, sempre em missões oficiais (uma vez almoçando com diretores do jornal, nos tempos de JB, noutra com o pai e um amigo, numa outra como inspetor do Guia Quatro Rodas, e por aí vai). Fui muito ao Rio Minho. Por alguns períodos semanalmente, eu diria. Mas sempre gostei – e era o que podia pagar – de ficar no balcão ao estilo “bunda de fora”, essa estética botequeira tipicamente carioca na qual derrieres ficam voltadas à rua, num projeto arquitetônico de valorização de espaço absolutamente genial. Preferia ficar lá por várias razões, entre as quais o fato de que ali os pratos custam a metade do preço do salão. Nem é metade exatamente. A matemática é mais complexa. Os pratos no balcão “bunda de fora” custam cerca de um terço do preço dos que são servidos no salão, trazendo apenas um pouco mais que  metade da quantidade, servida num prato. Sim, é um PF mesmo. Dos melhores que já comi na vida.

Bolinhos de bacalhau: entre os melhores da cidade, com casquinha crocante e recheio de massa muito saborosa e bem temperada

Enquanto isso, lá dentro, cada receita é apresentada elegantemente, como nos melhores restaurantes, em travessas, em quantias fartas para serem compartidas por pelo menos duas pessoas (bom mesmo é estar em grupo, e pedir várias receitas, para ir mordiscando tudo, aleatoriamente: primeiro os bolinhos de bacalhau carnudos, depois os camarões gordos, os lagostins explosivos, o cherne tenro, a lagosta apetitosa, os anéis de lula crocantes, e o polvo que parece manteiga quente de tão macio.  Impressionante como são bons os frutos do mar e peixes no Rio Minho. Impressionante. Fecha parêntese).

Detalhe dos azulejos da fachada do restaurante

 Pra provar um pouco de tudo, a melhor pedida é o misto de frutos do mar grelhados, com filé de cherne, polvo, camarões, cavaquinha, mexilhões e lulas preparados na chapa e acompanhados de arroz de brócolis e alho frito. Mas este prato só está disponível no salão.

O poalvo ao alho e óleo custa cerca de R$ 20: não há comida melhor no Rio de Janeiro a este preço

Não tem problema, o cardápio “bunda de fora”, se não é extenso, pelo menos é varido e consitente. Tem bobó de camarão, cherne com molho de camarão, sopa Leão Veloso, que teria sido criada ali, polvo ao alho e óleo com arroz de brócolis (sempre com uma porção extra de alho frito). Nessas sinfonias marinhas sempre cabe um belo fio de azeite e algumas colheradas (ou gotículas, dependendo do gosto de cada um) do forte molho de pimenta da casa, belo conjunto de malaguetas adormecidas num caldo bem temperado, com louro e alho, acredito, num resultado aromático, intenso e ardente, como devem ser os molhos de pimenta que infelizmente andam em faltam por aí, assim como as boas casas do ramo “comida brasileira simples e bem feita”).
Gostava de acompanhar o almoço com um garrafa de Serramalte, isso num tempo em que Serramalte não era cerveja servida no Rio de Janeiro, mas no Rio Grande do Sul. Não havia, como há hoje, em qualquer boteco. Mas no Rio Minho tinha.

 Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro: clique aqui.

Anúncios

5 Respostas to “Rio Minho: restaurante mais antigo do Rio, inaugurado em 1884, um porto seguro para comer pescados”

  1. Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro « Rio de Janeiro a Dezembro Says:

    […] Rio Minho […]

  2. Eduardo Says:

    Fui almoçar hoje com um amigo no Rio Minho, tradicional restaurante de frutos do mar localizado no centro da Cidade. Optamos pela Peixada à Espanhola, prato tradicional do local que custa R$ 96,00 para duas pessoas, ou seja, não é nada barato. O peixe foi mal servido (duas postas pequenas) e estava com gosto de maresia. Pedimos educamente ao garçom que o prato fosse substituído por outro. Minutos depois o chef de cozinha veio à nossa mesa e informou de forma grosseira que o peixe estava fresco e o problema seria a falta de cozimento com sal. Respondemos que o peixe estava ruim e, portanto, gostaríamos de trocar de prato. Nesse momento, surpreendentemente o chef nos questionou o que seria feito com a peixada e nós respondemos que deveria ser considerada devolvida, pois queríamos outro prato. A resposta dele foi ainda pior, pois questionou o que faríamos com o camarão e cavaquinha do prato que havíamos comido e que jamais existiram. Por fim: pedimos a conta para nunca mais voltarmos.

  3. Luana Says:

    Hoje fui na parte “bunda de fora” do Rio Minho com amigos, e não recomendo o camarão á milanesa, o talharim com frutos do mar e o peixe à dorê, tudo sem tempero e tanto o peixe quanto ao camarão estavam sem gosto, pareciam congelados, e não pescados.Nunca precisei usar faca para cortar um peixe, fala sério!O Talharim dos amigos estavam com um gosto horrível!Não recomendo esse restaurante pra ninguém!Se ja foi bom, hoje não mais!Não volto!
    E o cheff um grosseiro que só, e soltou: Não sei mais cozinhar!Eu digo: Eh!Acho que não!Eu hein!

  4. Mariana Says:

    Estive lá hoje e adorei. Mas de barato não tinha nada. É bem servido, mas é caro. Um prato de bacalhau para 2/3 pessoas custa 156 reais.

  5. Armando Santana Says:

    Estive lá hoje(18/03/15) e comi um bacalhau Zé do Pipo divino. O bolinho de bacalhau é absurdamente bem feito e gostoso. Só concordo que é caro pra caramba. O bacalhau a 172,00 e meio 120,00. Foi bem servido, mas é mesmo caro. Agora que o Restaurante Rio Minho é excelente, me desculpem, é sim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: