Tempêro com Arte: bom, bonito e barato, um restaurante para todas as horas em Teresópolis (e o favorito da filha)

– E aí, onde vamos jantar hoje?
– Quero uma pizza no Tempêro com Arte.
– Mas de novo?

O agradável salão com a bonita adega: bom, bonito e barato

Sempre que pergunto à filha, em Teresópolis, onde ir comer ela me vem com essa resposta (sim, pergunto a ela onde ir, e geralmente cumpro as suas vontades). Não adianta eu sugerir o banquete russo da Dona Irene, as receitas ótimas de bacalhau da Camponesa da Beira, ou mesmo as pizzas delicadas da Manjericão, ou as especialidades alemães da taberna Alpina, ou os gloriosos pescados do Caldinho de Piranha. De nada adiantam as minhas alegações. Quase que invariavelmente acabamos lá Tempêro com Arte (sim, com circunflexo: imagino que seja porque ali o tempero é acentuado), devorando pizzas feitas com carinho no forno a lenha, isso quando não pedimos o indecente e delicioso filé ao pato, que combina catupiry e alho frito com um mignon alto e bem grelhado, escoltando por feijão cremoso, arroz soltinho, batata frita sequinha e farofa bem tostada. Ontem não foi diferente, tudo terminou em pizza.

Maria faz palhaçada na "bodega": visita obrigatória, ainda mais no calor

O restaurante, que já tem 19 anos de estrada, apresenta uma relação qualidade-preço admirável. Para começar, a comida é boa e barata, assim como a carta de vinhos, com boa oferta e preços para lá de interessantes, talvez seja a menor margem de lucro entre os restaurantes fluminenses (não conheço melhor).

O forno para as pizzas: charmoso e bonito, né?

Como se isso fosse pouco, todo o resto conspira a favor de uma linda refeição. A começar pelo serviço, que é simpático, eficiente e competente (o serviço de vinhos é feito por gente bem treinada, que sabe indicar bons rótulos, sem ganância, e ainda cumprem bem toda a liturgia que envolve a bebida). Até o guardador de carros é muito mais simpatico que a média. O ambiente também é muito agradável, um casarão com piso de madeira e paredes de tijolinho, onde chama a atenção o forno a lenha que assa as pizzas e os cormicioni, a massinha preparada de maneira crocante, com coberturas simples como uma deliciosa combinação de alho frito com queijo. A adega é linda, e a Maria sempre pede para visitar o que ela chama de bodega (ali dentro, preciso ficar atento, porque a moça levada troca as etiquetas dos vinhos).

O cardápio é realativamente extenso, apresentando receitas para todos os gostos e estações do ano. Há, por exemplo, uma boa seleção de sopas perfeitas para os dias frios e de saladas, ótimas pedidas para o verão.

O cardápio de ontem, muitas vezes repetido: pizza metade alla'rabiata metade calabresa com azeitonas verdes

Entre as entradas aprecio bastante o charolais na brasa (este queijo de cabra assado no forno à lenha com folhas de rúcula e tapenade), do comiccione rosso (massa de pizza fina e crocante com molho de tomate, alho e parmesão) e do encorpado caldo de feijão. Na maioria das vezes peço mesmo uma pizza. Adoro a Tempero alla’rabiata (com linguicinha, cebola e pimenta dedo-de-moça fatiada), e também a funghi e copa (com mussarela, cogumelos frescos refogados e fatias de copa) e a Genéve (com queijo caprino romano St. Maure e tapenade). Ontem dividimos uma metade Tempero alla’rabiata, metade calabresa.

Há uma boa seleção de massas, na qual destaco o ótimo nhoque de mandioquinha. Nós mesmos escolhemos o molho e, neste caso, fica perfeito o de quatro queijos (quem quiser pode pedir um filezinho também, que vai muito bem, obrigado).

Aos sábados a feijoada é um pedido certeiro, com tempero correto, tempo exato de cozimento das carnes e bons acompanhamentos. Consegue um feito raro: não é muito pesada.

Alguns pratos me chamam a atenção, mas nunca provei embora fique sempre tentado, como o coelho ao vinho branco, o filé de pernil ao molho de limão e a sopa de abóbora com carne-seca e gorgonzola. Ainda hei de provar.

Entre as sobremesas, me encantam os “Doces da Tia Cléo” (de abóbora com coco, de laranja da terra e de banana). Há outras clássicos da doçaria de restaurantes, como pudim de leite condensado, petit gateau, torta alemã, brownie, romeu e julieta, mousse de chocolate. A filha pede sempre uma pizza de banana, vez ou outra com chocolate (ou borda de). Essa, geralmente, eu dispenso. Um dia, espero eu, ela também vai abandonar o hábito. Sou mais as compotas caseiras, o pudim, os bolos…

Quando vejo que a filha insiste em sempre comer lá, o que é do meu agrado, vejo que, desde muito menina, ela mostra bom gosto à mesa. Ontem, me orgulhei, ao fim da refeição.

– Papai, quando eu crescer também vou querer ter um trabalho igual o seu.

Só isso já valeria a viagem até Teresópolis. Mas ainda teve as fatias de pizza compartilhadas entre nós, a redação da cartinha pro Papai Noel, um vinho gostoso… E, mais importante de tudo, o delicioso ato de se matar as saudades.

Índice de posts de cidades no estado do Rio de Janeiro: clique aqui.

Anúncios

5 Respostas to “Tempêro com Arte: bom, bonito e barato, um restaurante para todas as horas em Teresópolis (e o favorito da filha)”

  1. aline Says:

    Hahhha que linda, a Maria!! Não sei o que é tapenade, mas dei um google e parece ser bem bom. Adorei o post, Bruno!!

  2. daniela Says:

    brunoo!
    amei a leitura! mas deixa de ser paulista, viu? ;P
    mandioquinha não! é batata barôa! ahahahaha

    beijo,

    dani

    • brunoagostini Says:

      Dani, que acusação mais grave…
      Fui envolvio pelo menu, que escreve nhoque de mandioquinha. E anotei sem me questionar a respeito da gênese da palavra… Lamentável.
      Batata-baroa é muito melhor que mandioquinha, né?
      🙂

  3. Dri Says:

    Tempero com Arte é VIDA!! Disparado um dos restaurantes com espaço cativo no meu coração!!

  4. Índice de posts de cidades no Rio de Janeiro « Rio de Janeiro a Dezembro Says:

    […]  Teresópolis: – Camponesa da Beira: um lugarzinho pra chamar de seu – Dona Irene: refeição de czar – Que frio: um sábado gostoso na serra – Orquidário Aranda: pra não dizer que não falei de flores – St. Gallen: mais uma cerveja deliciosa feita em Teresópolis – Caldinho de piranha, polvo e pimenta para esquentar – Tempêro com Arte: bom, bonito e barato, um restaurante para todas as horas em Teresópolis (e o fav… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: