A serra e os canais, o queijo e as tulipas

Considero o queijo da Serra da Estrela, feito aos pés dessas montanhas  ao norte de Portugal, uma das maiores criações do homem. Pegar aquela massa redonda, e delicadamente tirar a sua capa superior, como uma tampa, deixando à mostra o interior cremoso, sustentado pela casca dura, é um raro prazer. E mergulhar uma colher ali dentro, sacando um punhado desse nobre requeijão, é uma das mais gloriosas manifestações gastronômicas.

Da mesma maneira que esta dádivas das ovelhas lusitanas, as tulipas me encantam. Não as de chope, que também aprecio, mas as vegetais: acho a tulipa muito mais linda que qualquer outra flor. E Amsterdã é a terra das tulipas.

E o que diabos tem a ver flores com ovelhas¿

É que viajo hoje em direção a isso, mas em ordem inversa: primeiro as tulipas, depois os queijos.

Embarco daqui a pouquinho para Portugal. Passo a manhã em Lisboa, provavelmente na Confeitaria Nacional, endereço que me faz bem, em plena Baixa, um clássico.

À tarde embarco para Amsterdã para espreitar a chegada da primavera, que traz consigo as tulipas em flor, e a Europa, em quase todos os seus cantos, vai ficando mais feliz e alegre, movimento que vai até agosto, quando tudo vira um caos, antes de tudo virar um frio danado, depois de outubro, novembro ou dezembro.

Fico três dias por lá. Na verdade, dois e meio, considerando uma noite e uma manhã. Depois, embarco de volta para Lisboa, para um dia longo, que vai ter outro voo, desta vez para o Porto, e um deslocamento a Celerico da Beira, na Serra da Estrela.

Lá revejo alguns amigos, como o Pedro Garcias, jornalista que se meteu a fazer vinho e está a lançar o seu primeiro rótulo.

E vou, como não podia ser diferente, ainda mais nesta época, quando a produção está a todo vapor, visitar uma fábrica de queijo da serra.

Resumidamente, meus próximos oito dias vão ser assim, entre tulipas, ovelhas, conexões, serras e canais.

Para enfeitar o post, coloquei umas fotos de tulipas. Mas não são holandesas. São de Nova York, que não à toa um dia foi chamada de New Amsterdam.

Anúncios

Uma resposta to “A serra e os canais, o queijo e as tulipas”

  1. Juliana Amorim Says:

    Olha Bruno se der tempo, beba uma Brouwerij ‘t IJ ( anota que ninguem consegue pronuciar isso) e coma umas Dutch Balls ( tipo de almondega croquete) por mim!

    🙂

    boa viagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: