Um Duo afinado

 
O couvert italianíssimo tem focaccia, ciabatta, biscoitinhos crocantes, linguiça no molho de tomate e manteiga

Poucas, muito poucas coisas me levam até a Barra, e a razão nem é a distância, mas o sempre possível trânsito que às vezes nos tira dura horas para fazer o trajeto entre as lagoas Rodrigo de Freitas e da Tijuca. Um bom restaurante é uma dessas razões que me movem. Estava há um bom tempo para visitar o restaurante Duo, comandado pelo Nicola Giorgio, que cuida do salão, e Dionísio Chaves, o homem dos vinhos, amigo de muitas degustações, ajuda preciosa para as minhas reportagens há uns bons oito anos.

Fui na festa de inauguração, no final do ano passado, e não consegui mais.

Até que aproveitei o trânsito mais que tranquilo do feriadão de Páscoa e, finalmente, no sábado consegui ir até lá, pegando um caminhbo livre, livre: coisa de 20 minutos, até um pouco menos, de Ipanema até o restaurante, na Érico Veríssimo, comecinho do bairro, bem mais fácil para quem sai da Zona Sul.

 

Maria já curtiu o couvert logo na chegada: olha a cara, o olhar

  Na ilustre companhia da filha, tive um lindo almoço no começo da tarde ensolarada, mas já mais fresquinha, sinal do inverno que já se insinua para nós, deixando os dias claros e o mar lindo, limpinho.

 
Maria adorou o Duo. Poucas vezes vi a moça comer tanto, e com tamanho entusiasmo, em um restaurante.

O couvert empolgou a menina, e a mim também. Primeiro, a ciabatta crocante e saborosa, ainda quentinha, recheada com manteiga, que se derretia. Consegui convencê-la a provar uma versão da ciabatta com a linguiça afogada em molho de tomate, o meu item preferido no couvert saboroso, adequado. Ela gostou do sanduichinho, mas o que quis mesmo repetir foi o pão imerso no molho de tomate. Até pediu para o garçom reforçar a ciabatta. Foi quando o sujeito trouxe, ainda antes do primeiro antipasto, mais uma bandeja de madeira com focaccia de tomate, a tal ciabatta e a linguicinha, além da cumbuca de manteiga e o adorável biscoitinho típico do Sul da Itália, cujo nome me esqueço. Traçamos tudo.

– É duro mesmo – advertiu o Nicola, quando apresentou o couvert, no primeiro serviço, a respeito do biscoitinho.

É duro, não, é crocante, eu diria, e saboroso, bem saboroso, de modo que é difícil para de comer.

Cumpri um roteiro sugerido pelo Nicola. Escolhi, de fato, apenas um dos pratos, um polvo com batata, que foi o primeiro a ser servido.

Para o resto, acatei as sugestões do Nicola. Fiz bem.

 

Maria enquadrou com gosto o seu pratinho: também provei, e estava bem saboroso, com massa fresca e filé bem grelhado

E a Maria, também, se esbaldando com dois escalopinhos macios, macios, o que percebi só de cortar, além de um espaguete caseiro bem cozido, com molhinho simples de manteiga. Ela adorou.

Polvo com tortinha de batata: tentácuos macios, acompanhamentos leves e delicados

 Eu também me esbaldei. Depois do polvo, …

Este branquinho aí, o vinho da casa vendido em taça (bebi duas), escoltou o couvert e os três primeiros pratos

 … acompanhado por esse Pinot Grigio leve, fresco e gostoso, …

Ravióli de foie gras com amêndoas: massa fresca, molho saboroso, recheio idem, mas faltou algo

  

…ataquei o ravióli de foie gras com uma espécie de pesto de amêndoas, servido com um molhinho branco de textura aveludada. Estava bom, com massa fresca cozida no tempo certo, molho em textura agradável, recheio saboroso. Mas essa não me disse muita coisa.

Outra taça do vinho da casa, por favor, mas desta vez um tinto

 Então, mudei de vinho, novamente pedi “o da casa”. Também leve e gostoso, bom para acompanhar a comida, equilibrado e com boa acidez.

 

Uma versão bonita e diferente do velho bacalhau

Em seguida, outro acerto: o bacalhau grelhado servido com risoto de rúcula com pimenta verde, prato equulibrado, com bacalhau dessalgado com perfeição, e grelhado também assim, acompanhado por um risoto diferente, no ponto certo, ótimo complemento. Quase foi o meu preferido. Quase.

Só de olhar esta foto eu salivo: estava perfeito

 Porque, por fim, não pude resistir à outra sugestão do maitre, um stinco de vitela acompanhado de uma polenta mole de pecorino aromatizada com sálvia, uma beleza. Foi o melhor da tarde. Carne muito saborosa, em cozimento perfeito, com um molho rico e pungente, uma dupla que recebia o carinho de uma polenta cremosa, um estofo mais que adequado, o complemento exato.

Uma gostosa composição de cremes e frutas vermelhas

Ainda comi feliz uma sobremesa leve, que tinha panacotta com molho de frutas vermelhas e uma espécie de mil folhas escultural, também de frutas vermelhas.

Maria se comportou de maneira exemplar, e adorou a comida, assim como ficar brincando no computador no qual são anotados os pedidos, com uma das simpáticas garçonetes.

Comi couvert, quatro pratos e sobremesa (e ainda espetei umas coisinhas no prato da filha). Ainda assim, saí leve, leve.

 P.S. – Só não sei dizer porque as formatação das fotos ficou tão estranha. Tá muito esquisito este publicador.

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro: clique aqui.

Anúncios

Uma resposta to “Um Duo afinado”

  1. Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro « Rio de Janeiro a Dezembro Says:

    […] Duo […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: