Sábado, agora, é dia de puchero no Gonzalo, que apresenta um novo e competente parrillero

O cozido à portuguesa, ou simplesmente cozido, é um clássico carioca de origem lusitana, servido aos domingos em muitos restaurantes, entre eles o Antiquarius, que faz uma versão antológica desta receita (para ler, clique aqui). Na vizinha Espanha, o cocido madrileño é outro ícone gastronômico, típico da capital, mas encontrado por quase todo o país, muitas vezes com receita adaptada, e similares, como a fabada do Entretapas, outro prato sublime, ainda mais no inverno, servido nos almoço de sexta, e nos fins de semana e feriados (para ler, clique aqui). Na França, a variação dete prato se chama pot-au-feu, e igualmente encontramos em algumas casas cariocas, no inverno, como Le Vin e Málaga (para ler, clique aqui). Por fim, a Itália também tem a sua versão, o bollito misto, que é servido nos meses mais frios do ano no Gero, prato substancioso, altamente recomendável (para ler, clique aqui). Gosto muitos de todos esses pratos, e já escrevi para o blog  Enoteca, no site do jornal O Globo, um post sobre isso (para ler, clique aqui).

Gonzalo - puchero
Nos vizinhos Uruguai e Argentina o puchero rioplatense é uma das receitas mais clássicas. Doido que sou pelas carnes a la parrilla, sou fã do Gonzalo. E mais ainda agora, que o restaurante uruguaio serve, aos sábados, o puchero, receita com morcilla, chorizo, ossobuco, batata, repolho, e um molho do caldo do cozimento, sensacional! Com muita alegria no coração, sábado passado fui lá provar o prato, e já tô com vontade de voltar amanhã, mas neste fim de semana não posso, porque marquei outros compromissos, igualmente saborosos. Mas que fiquei com vontade de voltar, isso eu fiquei.

Gonzalo - molleja
Até porque, o novo parrillero da casa, de origem uruguaia, conseguiu melhorar o que já era bom, muito bom: as carnes estão ainda melhores. A molleja, agora cortada em pedaços maiores, vem macia, suculenta, poderosa, deliciosa!!!! Adoro. Quero voltar para provar novamente.

Gonzalo - asado de tira
E o asado de tira, igualmente em corte mais alto, consegue ser macio e suculento, mantendo aquele sabor característico, bem untuoso, dos cortes da costela bovina.

Gonzalo - massini
Por fim, tem sobremesa nova no pedaço: trata-se do manssini, receita tradicional do Uruguai, à base de amêndoas, pão-deló e creme.
Ou seja, quatro razões para voltar lá num sábado desses qualquer.

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro:clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: