O T-bone indecente e delicioso do Giuseppe Grill, ponto alto de um jantar, gastronomicamente falando, é claro

Naquela deliciosa “semana gastronômica com Maria”, quando aproveitei uma folga no trabalho combinada às férias da menina para fazer um roteiro por restaurantes cariocas, a noite de segunda foi reservada para um programa entre adultos. Deixei a filha com a avó, porque eu não poderia jamais deixar de comparecer ao jantar organizado pela Vanda Klabin, no Giuseppe Grill, dentro da programação de uma sociedade gastronômica, com a participação da Roberta Sudbrack, do Antônio Bernardo e da Betty Lago, entre poucos (e bons) outros, cito esses apenas para ficar nos nomes mais conhecidos. Como se não bastassem os convidados, havia ainda o cenário, o Giuseppe Grill, e suas delícias marinhas e carnívoras.
Foi assim, com tantos sedutores atrativos, que a Maria ficou com a minha mãe, para eu poder ir encontrar os amigos, e só agora, depois de uma curta viagem, consegui tempo para retomar a série de posts desses deliciosos dias do final de julho.
Delícia é poder sentar à mesa com a chef Roberta Sudbrack, de quem sou fã incondicional. E falar de comida, de viagens, da vida. Escutar a Vandinha apresentar os seus projetos artísticos, e falar de pinturas e t-bones com a mesma paixão e conhecimento de causa. E ficar de queixo caído vendo o Pedro Mello e Souza discorrer a sua erudição vasta nos mais variados temas, de Fórmula 1 às mais raras e desconhecidas iguarias.

Giuseppe Grill - linguicinhas
Neste clima fraternal, culto e aconchegante, demos início à longa, divertida e saborosa jornada à mesa. Empunhando a flûte de champanhe, e fazendo as saudações tilintantes de praxe, os petiscos abriram o caminho, ao sabor de linguicinhas, e o couvert da casa, onde brilha o acepipe que atende pelo nome simpático (e verdadeiro) de Delícias da Dona Gema, mãe do maître Didi, que orgulhosamente apresenta a receita materna aos clientes: trata-se de uma espécie de pão de queijo de formato diferente e tempero chique com raízes italianas: são canudos leves, sequinhos, com interior aerado, feitos com polvilho e queijo grana padano.

Giuseppe Grill - El Enemigo Chardonnay 2009
Logo fui apresentado ao El Enemigo por Paulo Bertazzi, o anfitrião enológico da noite, por assim dizermos. Esse belo vinho argentino eu ainda não conhecia, uma das melhores novidades recentes entre as bodegas de Mendoza, que leva a assinatura da família Zapata (depois vim a provar outro, o tinto, corte de Syrah e Viognier, tema de coluna recente na Revista: para ler, clique aqui).

Giuseppe Grill - panelinha de rabada
Depois veio a panelinha de rabada, gostosura que serviu para aguçar as papilas, e deixar a boca (opa) de prontidão para a etapa final, ponto alto da noite, do ponto de vista gastronômico, porque a conversa nesses casos é sempre o melhor do encontro.

Giuseppe Grill - T-bone

Um indecente T-bone nos leva até a pensar a respeito de que bovino poderia ter um tamanho daquele, capaz de gerar essa peça monumental de filé e contra-filé, separados pelo osso, que pode ser servido assim, já fatiado, para facilitar. Já tinha ouvido falar deste novo corte que chegou  não faz muito tempo ao Giuseppe Grill. Comentários elogiosos. Estava curioso para provar. É melhor do que eu pensava. Ainda mais com uma boa farofinha.
Bravo. Sem dúvida, uma das melhores carnes em cartaz no Rio atualmente. Dois tipos de filé, boa quantidade de gordura, maciez profunda, sabor delicioso de defumados da grelha, o sal na medida certa, o tempo de cozimento que gera a superfície chamuscada, com interior lindamente rosado, suculento, carnoso.
Custa uns R$ 160, e dá para dois. Segundo creio, para três, depois de uma entradinha. No nosso caso, a mesa de uma dezena de pessoas recebeu três porções, se a memória não me falha. Deu com folga. E estava mesmo maravilhoso. Desses pratos que a gente grava na memória, no caso dos carnívoros como eu, e que dá vontade de repetir. Muitas vezes. Pra sempre.

Giuseppe Grill - sobremesa

Para encerrar de maneira deliciosamente refrescante, creme siciliano, feito com limão batido com sorvete de creme e regado com limoncello. Demais!

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro:clique aqui.

3 Respostas to “O T-bone indecente e delicioso do Giuseppe Grill, ponto alto de um jantar, gastronomicamente falando, é claro”

  1. Fernando Lucas Prudente Martins Says:

    que delícia!!!

  2. Paulo José Says:

    Linda! Parece a bisteca fiorentina, que aquele açougueiro italiano presepeiro faz. Só que a dele é crua, essa tá show.

  3. Maysa Alexandrino Says:

    Ai, que delícia! Essa carne está linda mesmo!
    Quer coisa mais gostosa que um jantar delicioso em companhias incríveis? Não tem!
    Bjoss

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: