O divino polvo grelhado com fritas do Le Vin: dica de pai e mãe

Os tentáculos de polvo, temperados com alho, pimenta dedo-de-moça e cebolinha francesa, com tomate assado, fritas e saladinha: simplesmente perfeito

Os tentáculos de polvo, temperados com alho, pimenta dedo-de-moça e cebolinha francesa, com tomate assado, fritas e saladinha: simplesmente perfeito

Meu pai cansou de me dizer. O polvo grelhado do Le Vin é maravilhoso. Frequentador assíduo do restaurante francês de Ipanema, meu pai praticamente só pedia este prato, composto de alguns tentáculos de polvo, tenros e saborosos, grelhados no azeite, no tempero de pimenta dedo-de-moça, servido com um grande tomate assado, recheado com uma espécie de vinagrete, com cebola e cubinhos de tomate, junto a uma travessa de salada verde e outra de batatas fritas.
Constava do cardápio, mas nem sempre estava disponível, porque dependia do fornecimento. Por conta disso, saiu do manu fixo, e entrou para o time das sugestões.
Mesmo com as enfáticas indicações paternas, mesmo sendo vizinho do Le Vin, e mesmo visitando a simpática casinha da rua Barão da Torre com certa frequência, eu nunca havia pedido o polvo, preferindo me dedicas sempre às receitas de maior acento francófilo. Terrine de campagne, cassoulet, fricassée de champignons à la crème de foie gras, navarin de d’agneau, boeuf bourguignon, soupe à l’oignon, steak tartare, magret de canard, lapin à la moutarde… Realmente, o polvo, mesmo com a dica do pai, não era das minhas preferência quando sentado nas mesinhas de toalha quadriculada azul do Le Vin.
Pois na sexta passada, pela manhã, minha mãe contava da decepção que teve comendo o “pulpo alla gallega” do igualmente vizinho Venga!
– Bom mesmo é o polvo do Le Vin, ai, mas é divino. Peço com a sua tia, e dividimos. Não é bom, Helô?
– Muito bom, sim – confirmou a tia.
Pois aí eu não tinha mais como deixar de pedir o polvo do Le Vin. Tendo que chegar cedo no trabalho na segunda, acabei tendo que descer de Teresópolis para o Rio no domingo, para evitar o trânsito insuportável da manhã de segunda.
Vim animado, porque quando decidi descer a serra ainda no domingo, resolvi também que almoçaria no Le Vin. O pedido já era certo. O polvo.
Cheguei com alta expectativa. Pedi um branco português, para refrescar as papilas gustativas, e prepará-las para o tão esperado prato.
E logo ele chegou. Tentáculos tenros, bem temperados, com pimenta, cebolinha francesa e alho, grelhados no azeite, só a ponto de criar aquela casquinha de sabores intensos do lado de fora, o fundo de panela, os tostadinhos, o tempero bem dosado.
Pedi um pouco de azeite e, mesmo achando que a casa não teria, um pote de pimenta malagueta também, porque acho que um bom polvo sempre pede mais azeite e pimenta.
O prato trazia, ainda, um tomate assado, recheado com uma espécie de vinagrete, com cebola e mais cubinhos de tomate. Bela companhia. Mas, melhor ainda, era a travessa, com fritas de verdade, em formato meia-lua, deliciosamente crocantes, e uma saladinha verde, para jogar sabores levemente amargos e frescor ao conjunto.
No final das contas, batendo um papo com a simpática atendente, ela me deu a boa notícia.
– Resolvemos o nosso problema com o fornecedor, e voltamos a conseguir um bom de qualidade regularmente. Temos tido sempre, e vai até voltar para o cardápio – informou a moça, para a minha alegria e contentamento.
Se é o melhor do Rio, como garante o meu pai, não posso garantir, porque há outros sublimes, especialmente nas cozinhas ibéricas, nos restaurantes tradicionais administrados por espanhóis e portugueses, como a dupla Málaga e Fim de Tarde, que servem o “pulpo alla feria”, simplesmente impecável, o Rio Minho, e sua versão com arroz de brócolis, e o Antiquarius, e sua vistosa cataplana de polvo. Mas, seguramente, o polvo grelhado do Le Vin não apenas é um dos melhores pedidos da casa, mas também um dos melhores pratos do Rio preparados com esse delicioso molusco cefalópode que eu tanto adoro. Tão bom, mas tão bom, que estou até considerando ir lá jantar hoje, para novamente apreciá-lo. Espero não sair tarde do trabalho…

Pois a verdade é essa: devemos sempre prestar atenção aos conselhos de pai e mãe.

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro: clique aqui.

Anúncios

6 Respostas to “O divino polvo grelhado com fritas do Le Vin: dica de pai e mãe”

  1. Dri Says:

    Não entendi qual polvo decepcionou sua mãe… “Pois na sexta passada, pela manhã, minha mãe contava da decepção que teve comendo o “pulpo alla gallega” do igualmente vizinho Le Vin.”

    Sobre o Le Vin, apesar da minha implicância após uma primeira visita, eu confesso que até tento voltar, mas está sempre lotado, com fila de espera… E se tem um negócio que é “contra minha religião” é ficar em fila de espera pra comer, ainda mais ali em Ipanema, onde não falta opção!

  2. Yasmin Lima Says:

    Bruno, adorei o post! Este polvo é espetacular!! Fui jantar no Le Vin e era a sugestão do dia! A partir daí, me apaixonei e só peço ele!! Tudo é bom: o polvo, o tomate ao vinagrete, as batatinhas e a salada de folhas com molho de mostarda Dijon! Viciei! Um abraço!!

  3. Le Vin Bistro (@levin_bistro) Says:

    Ficamos muito felizes com seu post e por saber que aprovou nosso Polvo à Provençal, Bruno! Volte sempre para prová-lo 🙂 Você será muito bem-vindo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: