Vinhos da Patagônia – Neuquén, o Novo Mundo da enologia local: uma visita à bodega Família Schroeder

A área de Río Negro representa a tradição vitivinícola da Patagônia. A Humberto Canale está por lá desde 1909, produzindo vinhos e frutas, como pera e maçã, durante todo esse período. É nesta zona que estão plantados vinhedos antigos, como os da bodega Chacra. Neuquén, ao contrário, representa o novo. Uma família dedicada aos negócios imobiliários encontrou no vinho uma grande oportunidade. Compraram uma grande extensão de terra, lotearam o terreno, plantaram algumas vinhas, e venderam. Quase um condomínio de bodegas.
Venderam todos os terrenos, exceto um, onde funciona a Bodega del Fin del Mundo, a maior da Patagônia. Trata-se de uma gigante que responde por cerca de 50% da produção da região, isso considerando ainda o volume da NQN, que ocupa um terreno que foi vendido, e depois recomprada pelos donos da Bodega del Fin del Mundo.
Outra das bodegas que integram este grande projeto é a Família Schroeder, que faz vinhos interessantes, e convida os turistas a uma visita, com uma boa estrutura de receptivo, incluindo um restaurante muito bom, com vista para os vinhedos, obras de arte, lojinha e até uma pequena mostra, relacionada ao esqueleto de dinossauro encontrado ali, durante a construção da vinícola.
É uma linda bodega, que bem representa a nova geração de vinícolas, que há cerca de 15 anos começaram a ocupar esta grande área em Neuquén, num empreendimento imobiliário vitivinícola.

Neuquén 1

Para chegar até lá, cruzamos o rio Limay, num ponto de belo visual, onde ele forma uma represa.

Família Schroeder 1

Um dos compradores foi justamente a família Schroeder, que ergueu ali uma linda bodega, integrada à paisagem, e com boa estrutura de visitação. Gentilmente, hastearam a bandeira do Brasil.

Família Schroeder 2 - Malbec
Um dia alguém me disse que uva para vinho não é boa de se comer. Sujeito doido esse, e sempre me lembro dessa história quando visito uma plantação carregada, e eu vou experimentando uns cachinhos. Delícia. Ao dedilhar esses Malbecs maduros, expostos ao sol, com a casca quente e a polpa suculenta e fresca, sensação marcada pelo encontro entre acidez e açúcar, e o suave amargor dos taninos.

Família Schroeder 3 - barrica pintada
A visita guiada tem bossas como uma exposição de arte, com artistas locais, que está sempre mudando, e uma barricas pintadas.

Família Schroeder 4 - barricas

Há uma área ampla, que recebe essas exposições.

Família Schroeder 5 - barricas

Com barricas variadas, algumas com tampa de vidro, para se observar o líquido. Mas, não, esses vinhos não são usados, são apenas para exibição, garantem.

Família Schroeder 6 - dinossauro

E a atração mais particular de todas é uma sala, onde foi encontrado o esqueleto de um dinossauro com 75 milhões de anos. As peças verdadeiras foram removidas para estudos e exposição, mas foram colocadas réplicas, mostrando como era o local, com painéis que contam a história da descoberta do…

Família Schroeder 7 - dinossauro

… Panamericansaurus Schroederi, que foi batizado em homenagem à família.

Família Schroeder 8 - corredor

Este corredor dá acesso á lojinha, e nele estão guardadas as garrafas que formam a coleção de vinhos da casa.

Família Schroeder 9 - restaurante
Por fim, o restaurante, que tem linda vista para os vinhedos, e uma cozinha que justifica a visita. Comi um prato de cabrito inecreditavelmente delicioso, com um “lomito” na brasa que deixou saudades (foi este o melhor pedaço de cabrito que já comi, com a carne delicada, com sabor bem marcante). Mas eu deixo o almoço para o final, seguindo a ordem cronológica da visita.

Os vinhos são atraentes. E a sua linha de entrada, livre de madeira, pura fruta, e com preços mais acessíveis, são altamente confiáveis, ótima escolha pelo que custam.

Família Schroeder 10 - Saurus brancos
A linha é ampla. Fomos degustando os vinhos por cepas. Foram muitos, formando uma belo painel da produção da casa. Primeiro, a linha de Sauvignon Blanc. Depois, Chardonnay. Todos da linha Saurus. O Sauvignon Blanc Saurus 2014 tinha pomelo e pimenta branca, pura fruta e frescor. Já o Sauvignon Blanc Saurus Select 2014 era muito perfumado, com um toquezinho de madeira, com notas de abacaxi, aspargo e um final agradável. Os dois exemplares de Chardonnay, também da linha Saurus, e ambos de 2014, era suculentos.

Família Schroeder 11 - Pinot Noir
Em seguida, Pinot Noir. O Pinot Noir Saurus 2014 era muito seco, picante, e com sabor de cereja negra. No Pinot Noir Barrel Fermented 2013, nesta linha que tem fermentação em barrica, como indica o nome, era floral, apimentado, com notas de rosas e cerejas frescas.

Família Schroeder 13 - Malbec
A próxima uva era a Malbec. Na linha de Malbec, com quatro exemplares, mais me chamou a atenção o Saurus 2014, limpo, sem madeira, fruta, fruta, fruta. O Select 2013 era bem condimentado. E o Barrel Fermented apresentava aromas florais, e um certo tostado, algo caramelado, com notas de café e chocolate, picante, e com bom volume de boca. E o S-Malbec era o mais parecido com os exemplares de Mendoza, rígido, concentrado, e com uma pouco mais de madeira do que eu gostaria.

Família Schroeder 15 - Merlot
Eu, que já vinha investigando as virtude da Merlot patagônica apreciei o trio produzido com ela (esta uva não tem o Barrel Selection). O Saurus tinha a franqueza da uva, as frutas frescas se exibindo, amaparadas por uma textura fina, sedosa e ligeira. Um vinho direto, fácil, seguro. Outro que me marcou, minha escolha para levarmos à mesa, foi o S-Merlot 2011, com aquela textura aveludada, baunilha, não chegando a ser enjoativa. Um vinho vigoroso, mas com agradável frescor.

Família Schroeder 16 - Cabernet
Foi então a vez do Cabernet Sauvignon.
Fechando o ciclo, um corte de Pinot com Malbec, uma representando a Patagônia especificamente, a principal uva local, outra em nome da Argentina, a uva tinta nacional.

Família Schroeder 17 - espumantes
Gostamos muito dos três espumantes da casa, provados ao final da degustação, e levados à mesa.

Família Schroeder 19 - espumantes

Eram eles, da esquerda para a direita: o Brut Nature (rosadinho, muito bom), o Rosa de Los Vientos (um rosado quase tinto, mas com frescor e delicadeza) e o Saurus Extra Brut.

Família Schroeder 20 - brut nature

Meu preferido? O Brut Nature, claro. Repare que linda a sua cor. Era fino e delicado, com puro sabor de maçã vermelha, umas notas florais, rosáceas.

Família Schroeder 21 - truta patagônica

O almoço foi inaugurado com um amuse bouche bem divertido, uma torradinha com pastinha de truta patagônica e um toque de beterraba.

Família Schroeder 22 - entradas

Depois, teve um pout-pourri de entradas. Lagostins patagônicos defumados com creme ácido e abacate; prensado de coelho com pimentão assado, purê de damasco e aioli; tentáculos de polvo marinados e truta da Cordilheira confitada sobre salada de quinua andina e folhas baby.

 

Família Schroeder 24 - cabrito
E seguindo a recomendação de minha guia, pedi o cabrito em dois cozimentos. Um filezinho não menos que excepcional, e uma paleta desfiada. O “lomito de chivito” estava sensacional, chamuscado na brasa, com os sabores defumados da lenha, e uma maciez inacreditável, e uma delicadeza de sabor inesperada.

Família Schroeder 25 - sobremesas
A sobremesa, assim como a entrada, foi um apanhado do menu. Louva-se aqui a qualidade da cheesecake de doce de leite, e também essa suave combinação de pêssego e suspiro, bem como um brownie com calda de frutas vermelhas.

Família Schroeder 26 Deseado

Como os doces, provamos ainda um quarto espumante da casa, o Deseado, feito como um Asti, com fermentação direta, na garrafa, e com baixo teor alcoólico, uma belezura, quase um suquinho, perfumado, com boa acidez, agradável, levemente doce. Bem melhor que 90% dos Asti que eu conheço. Fechamos com estilo, reforçando a nossa impressão de que os espumantes estão entre os destaques da produção vinícola da Patagônia.

Quem importa é a Decanter. E deixo o link para o site da bodega.

Família Schroeder 26 - vinhedo

Saímos com pressa, em direção à Bodega del Fin del Mundo, tema do post de amanhã (para ler, clique aqui). Com pressa, mas admirando os vinhedos…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: