Archive for the ‘O meu Rio’ Category

450 Sabores do Rio: a lista de lugares por ordem alfabética

11/03/2015

A publicação do guia 450 Sabores do Rio, aqui neste blog, segue uma ordem aleatória, agrupando certas especialidades durante determinado período. Ou não.
Este post aqui é para organizar, em ordem alfabética, todos os lugares listados, facilitando a navegação.
Basta clicar sobre o nome de cada restaurante (ou bar, ou café, padaria etc) para que abra o link levando ao texto sobre ele.

————————————————————

Aboim

Aconchego Carioca

Adegão Português

Adonis

Alvaro’s

Amélie Creperie

Bar Brasil

Bar da Amendoeira

Bar da Frente

Bar da Gema

Bar da Portuguesa

Bar do Momo

Bar do Oswaldo

Bar Lagoa

Barsa

Bazzar Lado B

Boteco DOC

Botto Bar

Bracarense

Cachambeer

Cantinho das Concertinas

Casa Carandaí

Casa do Alemão

Cervantes

Chapéu de Couro

Chico & Alaíde

Columbia (na Brasa)

Cosmopolita

Cuisinart

Empório Jardim

Entretapas

Epifania Oriental

Escola do Pão

Esplanada Grill

Giuseppe Grill

Guimas

Gurumê

Haru Sushi Bar

Herr Pfeffer

Jeffrey Store

Lima Restobar

Mr Lam

Nam Thai

Nova Capela

Officina del Gelato

Paladino

Paris Bar

Pastoria (28) *

Pobre Juan

A Polonesa

Satyricon

Stuzzi Bar

Vice-Rey

Winehouse

———————————————–

Muitos bares e restaurantes do Rio acabam ganhando apelidos, que muitas vezes até superam o nome. Aqui vamos listar alguns desses casos.

28 (Pastoria) – O Café e Restaurante Pastoria é mais conhecido como 28, em relação ao número da casa onde está instalado, na Gamboa, na rua Barão de São Félix. O Bar, lamentavelmente, fechou as portas, no final de fevereiro.

Capela (Nova Capela) – Ainda tem muito carioca que se refere ao bar apenas como Capela, que era o nome completo da casa até os anos 1960, quando mudou de endereço, acrescentando o Nova ao letreiro.

Casa Paladino (Paladino) – Um carioca nunca vai chegar e dizer: “Vamos à Casa Paladino”. Todos abreviam o nome, e muitos nem sabem que o lugar se chama Casa Paladino.

Na Brasa (Columbia) – A tradicional casa tijucana, especializada em frangos e galetos na brasa, tem a fonte de calor no nome, mas é chamado resumidamente apenas de Columbia.

—————————————————-

(*) – O asterisco indica que o restaurante fechou as portas.

E mais: índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro já publicados neste blog:clique aqui.

Guia 450 Sabores do Rio 10 – Bar da Amendoeira: carne-seca na farofa, pimenta e chope na caldereta

11/03/2015
A carne-seca passada na farofa e o ótimo chope na caldereta, tipo schinitt: duas belas razões para ir até este boteco clássico em Maria da Graça

A carne-seca passada na farofa é servida com o ótimo chope na caldereta, tipo schinitt, com espuma cremosa: duas belas razões para ir até este boteco clássico em Maria da Graça

A carne-seca é preparada com a sabedoria de um grande cozinheiro. Dessalgada no ponto certo, é cozida e depois… assada, acho eu, ganhando uma casquinha mais saborosa, durinha, e com aquele tostadinho que dão relevo a um prato, com o interior rosado, macio, desfiando-se ao toque do talher. Para melhorar, os blocos de charque são envolvidos em uma farofinha leve e branquinha, um empanado de farinha de mandioca. Em seguida, antes de nos servir tal iguaria, o atendente ainda tem a nobreza de cortar os pedaços, para ficarem do tamanho perfeito para serem levadas à boca, espalhando sobre o petisco uns palitinhos, pra faciliar o manuseio de quem dispesa garfo e faca nessa hora. O Bar da Amendoeira, em Maria da Graça, um dos monumentos suburbanos mais relevantes da gastronomia carioca, consegue com algo tão simples preperar um acepipe delicioso, sem igual na cidade (o Bunda de Fora, em Ipanema, mas um parecido, bom, mas que não chega aos pés). Melhora a situação o fato de que a pimenta do Bar da Amendoeira – assim batizado por causa da árvore que enfeita a sua fachada azul desgastada pelo tempo – é muito boa; e que o chope, servido na caldereta, tipo schnitt, está entre os (meus) três melhores do Rio, ao lado do Bar Brasil e Adonis (já resenhados aqui nesta série). Mas não pense que é só carne-seca, pimenta e chope, o que já seria muito. O bar serve, além de petiscos botequeiros, tipo jiló, moela, pernil e bolinho de bacalhau, refeições antológicas, como o angu à baiana dos sábados, que atrai legiões de fãs fieis, e outros clássicos do almoço executivo dos bares cariocas, como carne-seca com abóbora, feijoada (sexta). Há alguns anos, Cesar, o dono, morreu, dentro do bar, após uma briga com o cliente. Apesar da trajédia, o Amendoeira continua firme e forte com um dos bastiões da cultura botequeira do Rio de Janeiro. Graças a Deus, e Maria da Graça.

BAR DA AMENDOEIRA – Rua Conde de Azambuja 881, Maria da Graça. Tel. 2501-4175. Seg. a qui., das 6h às 22h; sex., das 6h à meia-noite; sáb. até 20h. Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 9 – A Polonesa: o suflê de chocolate de uma das casas mais tradicionais do Rio

10/03/2015
O suflê de chocolate do restaurante A Polonesa deve ser encomendado na chegada, e é servido com uma casca de ovo em chamas

O suflê de chocolate do restaurante A Polonesa deve ser encomendado na chegada, e é servido com uma casca de ovo em chamas (para não deixar o doce murchar)

O restaurante A Polonesa, em Copacabana, cujo nome revela a sua especialidade culinária, está longe de ser uma unanimidade. Há uma turma que ama esta casa tão tradicional, inaugurada em 1948, e tão carioca. Outros, detestam o lugar, reclamando de garçons irritadiços, ambiente tristonho, escuro, de preços altos e comida insossa. Eu, que não sou fã nem desafeto, preciso reconhecer que o suflê de chocolate é um dos clássicos maiores da gastronomia carioca. Eu preferia que tivesse menos gosto de ovo, e que o chocolate usado fosse melhor. Mas é inegável o seu valor histórico e sentimental. Como demora a ser preparado, como qualquer suflê, deve ser pedido logo no começo da refeição. O doce chega com uma casca de ovo em chamas. O que parece uma estranha forma de decoração, tem efeito prático: não deixa a massa murchar, a derrota de qualquer suflê. Ali, o menu apresenta um receituário polonês, que é também tradicional de outros países do leste europeu, como Ucrânia e Rússia. Para começar, a borscht, a sopa de beterraba com creme. Depois, pirogi (massa recheada), estrogonofe ou goulash. Uma bom aguardente de ameixa, bebida típica da Polônia, vai bem, obrigado. E a refeição se encerra com o suflê. A Polonesa é um desses lugares emblemáticos da gastronomia carioca, que todos deveriam visitar ao menos uma vez. Nem que seja para aderir a corrente dos que falam mal da casa.

A POLONESA – Rua Hilário de Gouveia 116, Copacabana. Tel. 2547-7378. De ter. a sex., das 18h à meia-noite; sáb. e dom., do meio-dia à meia-noite. Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 8 – Nova Capela: o cabrito assado mais famoso do Rio de Janeiro

09/03/2015
O cabrito do Nova Capela tem como companheiro clássico o arroz de brócolis,  as batatas coradas, e uma generosa camada de alho frito, um conjunto que pede por um bom chope gelado

O cabrito do Nova Capela tem como companheiro clássico o arroz de brócolis (vale regar com azeite e a boa pimenta da casa), as batatas coradas, e uma generosa camada de alho frito, um conjunto que pede por um bom chope gelado

Uns garantem que sim, é carne de cabrito, o filhote do bode com a cabra. Outros afirmam categoricamente que a carne é de cordeiro, o filhote do carneiro com a ovelha. Seja lá qual for, por lá o prato é mais conhecido como cabrito mesmo, e tem como companheiro clássico o arroz de brócolis, as batatas coradas, e uma generosa camada de alho frito, um conjunto que pede por um bom chope gelado. Vale regar o arroz com azeite e pimenta. Os cortes ovinos ficam expostos numa vitrine sobre o balcão clássico do bar, com altar a Nossa Senhora. Há devotos fervorosos do prato. Garçons trajados à moda antiga, com gravatinha borboleta, calça preta e paletó branco, assim como os seus cabelos, servem uma clientela fiel, entre os almoços executivos dos dias de semana às madrugadas repletas de boêmios das mais diversas vertentes que ocupam a Lapa. O cardápio tem raízes lusitanas, e ao longo do tempo foi se adaptando ao que podemos chamar de cozinha urbana do Rio. Temos bolinhos de bacalhau, para começar, e pratos como rins ao molho Madeira com purê de batatas, canja de galinha, leitão assado, iscas de fígado à lisboeta e carne assada “à moda” montam um repertório saudosista de receitas. O salão com paredes ajulejadas cheias de premiações e reportagens reforça o clima dos anos 1960, quando o antigo Capela, inaugurado no começo do século passado, agregou o Nova ao nome, instalando-se no endereço atual, um monumento da gastronomia carioca.

NOVA CAPELA – Av. Mem de Sá 96, Lapa. Tel. 2252-6228. Diariamente, das 11h às 4h (sex. e sáb. até 5h). Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 7 – Bar Lagoa: steak tartare e cardápio meio alemão meio carioca

08/03/2015
O tartare do Bar lagoa é preparado na mesa pelo garçom: um bolo de carne coroado por uma gema de ovo e um alice, cercado pelos temperos (cebola, salsinha, picles)

O tartare do Bar lagoa é preparado na mesa pelo garçom: um bolo de carne coroado por uma gema de ovo e um alice, cercado pelos temperos (cebola, salsinha, picles)

O garçom traz à mesa o prato montado. Um bolo de carne coroado por uma gema de ovo e um alice, cercado pelos temperos: cebola, salsinha, picles. Com mestria, ele mistura os ingredientes, criando uma massa de sabor equlibrado. Não importa que a carne não seja picada na faca. O tartare do Bar lagoa é um monumento da gastronomia carioca, tão à moda antiga quanto o próprio lugar, um dos restaurantes mais belos e preservados do Rio, uma verdadeira viagem no tempo, com o perdão do clichê. O tartare vem com uma cesta de pães. Eu sugiro que se peça uma porção de batata frita, para acompanhar. Quem escolhe uma mesa na varanda pode jantar espiando a Lagoa, e o Redentor ao fundo. Mas o salão art-deco, o mesmo desde a inauguração, nos anos 1930, quando a casa se chamava Bar Berlim. O cardápio é meio alemão, meio carioca, com receitas tradicionais da cozinha urbana da cidade do Rio no século passado. Assim, podemos pedir rosbife,bife à milanesa (fininho) ou salsichões com salada de batata – cuja maionese, dizem, é feita com o bom chope servido ali. Kassler e eisbein chegam com chucrute, dos bons, e batatas cozidas. Do receituário carioca, temos canja de galinha, gurjões de peixe, casquinha de siri, sanduíches (como Bauru e filé com queijo), hadoque com alcaparras, camarão á milanesa com arroz à grega, mignon à Rossini (na versão “pirata”, com molho Madeira e patê), filé à Oswaldo Aranha, moqueca de peixe, e até pizzas, além de pudim de leite, apfelstrudel e goiabada com queijo (com direito a porção de chantily cobrada à parte). Há quem reclame dos garçons, que já não são emburrados como reza a lenda. Outros falam de decadência, preços altos, filas, demora.

BAR LAGOA – Av. Epitácio PessoA 1.674, Lagoa. Tel. 2523-1135. Seg. a sex., das 18h às 2h; sáb. e dom., do meio-dia às 2h. http://www.barlagoa.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 6 – Pastoria, na Gamboa: um cabrito formidável servido com “asseio e prontidão”

07/03/2015
A estrela do Café e Restaurante Pastoria, na Gamboa: eles pegam os melhores pedaços do cabrito (leia-se sempre partes com osso, agarradas e entremeadas a ele) e marinam com cebola, tomate, alho. Sabe aquele esquema de assar no próprio caldo, restando um líquido espesso, com os temperos amolecidos, a gordura diluída (para alegria das papilas e tristeza dos médicos) e o sabor impregnado?

A estrela do Café e Restaurante Pastoria, na Gamboa: eles pegam os melhores pedaços do cabrito (leia-se sempre partes com osso, agarradas e entremeadas a ele) e marinam com cebola, tomate, alho. Sabe aquele esquema de assar no próprio caldo, restando um líquido espesso, com os temperos amolecidos, a gordura diluída (para alegria das papilas e tristeza dos médicos) e o sabor impregnado?

As batatas chegam naquele ponto mais que perfeito de cozimento: macias, quase um purê por dentro, e com uma casquinha dourada, em alguns pontos até crocante. Sobre elas, um pedaço generoso de cabrito, coroado por um molho denso, com base de cebola e tomate, dando suculência e reforçando o sabor do conjunto. A carne se solta do osso ao toque da faca, que sequer seria necessária: uma colher ou mesmo apenas o garfo seria o suficiente para se apreciar o prato, de tão macio que é o cabrito, o prato mais famoso do Restaurante e Café Pastoria, mais conhecido pelo apelido de 28, em referência ao número da casa onde funciona na rua Barão de São Félix, na Gamboa. Não tenho dúvidas de que o prato – que pode ser dividido por duas pessoas – apresenta uma das melhores relações custo-benefício do Rio de Janeiro. Fosse na Zona Sul, seria uma porção menor, e custaria o triplo. Aos 88 (foi inaugurado em 1927), a casa não vive só do magnífico ovino, servindo outros pratos que atraem uma clientela fiel, um cardápio que se divide entre especialidades lusitanas e brasileiras, com receitas como o polvo à portuguesa (muito bom), o bacalhau à espanhola (idem), e à portuguesa (igualmente), a carne-seca com feijão (também, o mocotó com feijão branco (ainda não provei, mas tenho ótimas recomendações). Os pratos saem rapidamente, fator importante na correria do almoço de quem trabalha no Centro. Outro ponto que me chama a atenção é a limpeza do lugar. A cozinha, nos fundos, com janelinha que nos permite observar o que se passa lá dentro, está entre as mais limpinhas da cidade. Não à toa, o cardápio diz que o restaurante serrve “Almoços e jantares com asseio e prontidão”. Tudo verdade, exceto o fato que – hoje – o a casa só abre de 11h às 16h, e nos dias úteis.

PASTORIA (28) – Rua Barão de São Félix 28, Gamboa. Tel. 2263-2438. Seg. a sex., das 11h às 16h. Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 5 – Cervantes, reduto da boemia e dos sanduíches mais clássicos do Rio

06/03/2015
O sanduíche de pernil com queijo e abacaxi no pão de leite: obra-prima do Cervantes, em Copacabana

O sanduíche de pernil com queijo e abacaxi no pão de leite: obra-prima do Cervantes, em Copacabana, que fica aberto madrugada adentro

O sanduíche de pernil com queijo e abacaxi é uma espécie de Dom Quixote: a obra-prima do Cervantes. No caso, o bar e restaurante clássico de Copacabana, inaugurado em 1955, verdadeiro dois em um: é possível comer tranquilamente, com a família, no pequeno salão, com entrada pela rua Prado Junior; ou se debruçar sobre o balcão do bar, voltado para a movimentada Barata Ribeiro. São três ou quatro fatias generosas da perna traseira de porco, com queijo derretido e o abacaxi, montados em um bom pão de leite. Para acompanhar, um pedaço de limão, que dá uma temperada da boa; e um chope, pra matar a sede. No cardápio de perfil clássico encontramos pratos como língua com purê; miolos à milanesa, picanha e outras “minutas” executadas à moda antiga, para o bem, e para o mal. Mas são os sanduíches que fazem da casa um lugar especial, sem contar o fato de que é um refúgio seguro nas madrugadas cariocas, onde a boemia bate ponto, entre chopes e discussões ébrias, de cunho futebolístico, carnavalesco e outros temas relevantes. Há quem prefira o filé com abacaxi e queijo. Ou mesmo o tender, com sabor realçado pela fruta, que é preparada de maneira única, mantendo a suculência, com a acidez domada pelo cozimento, e o açúcar que contrabalança o sal das carnes, que ficam expostas numa vitrine. Com todo o respeito aos adeptos de outras versões, o grande ícone do Cervantes, o Don Quixote da gastronomia copacabanense, é mesmo o sandíche de pernil, com a carne gostosa, e aquela casquinha escurecida pelos caldos do cozimento, de sabor intenso. O de filé, vá lá, pode ser no máximo um Sancho Pança… Ou, quem sabe, um Rocinante…

CERVANTES – Rua Barata Ribeiro 7, Copacabana. Tel. 2275-6147. De ter a qui, e dom., do meio-dia às 4h; sex. e sáb., do meio-dia às 6h. restaurantecervantes.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 4 – Adonis, o boteco suburbano onde bacalhau combina com chope

05/03/2015
O bacalhau à Filgueiras é empanado, e servido acompanhamentos muito apropriados para o peixe: brócolis, palmito, batatas coradas, alho frito, ovo cozido, azeitonas pretas e cebola

O bacalhau à Filgueiras é empanado, e servido acompanhamentos muito apropriados para o peixe: brócolis, palmito, batatas coradas, alho frito, ovo cozido, azeitonas pretas e cebola

Existem debates muito sérios sobre qual seria o melhor vinho para acompanhar pratos de bacalhau: branco ou tinto. No Adonis, essa discussão não faz o menor sentido. Neste boteco clássico de Benfica, pertinho do Cadeg, o que se bebe com o peixe tão querido pelos portugueses é chope. E não um chope qualquer, mas dos melhores do Rio (quando falamos das grandes marcas, Brahma, no caso), servido na caldereta, com uns três dedos de espuma, na pressão (pedir sem colarinho é pecado de lesa cultura cervejeira). Antes de mais nada, vamos pedir uns bolinhos de bacalhau, para serem apreciados com muito azeite e um pouco de pimenta, para estimular ainda mais os goles convictos no chope gelado, e cheio de vivacidade. Vale investigar se ainda tem o caldo de rabada, servido às vezes. Tudo isso como prelúdio para a estrela maior da casa, o bacalhau. Há várias receitas, em porções para até seis pessoas (leia-se dez). A que leva a assinatura da casa, chamado à Filgueiras, é a grande pedida, a recomendação usual dos garçons: uma posta alta e bem dessalgada (entenda-se com sal residual) é empanada em ovo, farinha e cheiro verde, e frita, coroando uma seleção de acompanhamentos muito apropriados para o peixe: brócolis, palmito, batatas coradas, alho frito, ovo cozido, azeitonas pretas, cebola… Rega-se com azeite em abundância. Pimenta da boa para realçar o sabor. Pede-se mais um chope. E voltamos para casa pensando: qual é mesmo o melhor bacalhau do Rio? Antiquarius, Adegão Português ou Adonis? Difícil escolha…

ADONIS – Rua São Luiz Gonzaga 2.156, Loja A, Benfica. Tel. 3890-2283. De seg. a sáb., das 8h às 22h; dom., das 8h às 17h. Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 3 – Casa Paladino: em forma, aos 99 anos, servindo omeletes e sanduíches com bom chope

04/03/2015
A omelete de bacalhau é uma das melhores pedidas na Casa Paladino, inaugurada em 1906, um típico armazém de secos e molhados à moda antiga, um lugar bem pitoresco

A omelete de bacalhau é uma das melhores pedidas na Casa Paladino, inaugurada em 1906, um típico armazém de secos e molhados à moda antiga, um lugar bem pitoresco

Quem passa pela porta do Paladino pode achar que se trata apenas de um armazém, tipo um secos e molhados de antigamente. De fato, ele é isso também. Porém, as prateleiras cobertas de garrafas de vinhos e outras bebidas, e das mais variadas conservas, encondem um dos botecos mais pitorescos do Rio, prestes a completar 100 anos – foi inaugurado em 1906. Um pequeno salão de poucas mesas, com toalhas de plástico, vive lotado na hora do almoço durante a semana, gente que chega para beber um chope e comer algo rapidamente. O cardápio da Casa Paladino, nome oficial, é enxuto. Há sanduíches de tamanho respeitável, como o chamado triplo, pura indecência em forma de ovo mexido, provolone e presunto, montados no pão francês.. E há quem peça tremoços. Ou azeitonas. Ou salaminho. Mas a maior especialidade da casa são as omeletes. A de sardinha (em conserva) tem adeptos fervorosos, merecidamente. A de bacalhau, porém, é a mais célebre. Do tamanho de um prato de sobremesa, tem lascas do peixe, cheiro verde e ovo bem batido, ganhando certa leveza. O garçom, ao servir, chega com o tempero final: um fio de azeite, que ele mesmo despeja sobre a comida, fazendo movimentos circulares. Esqueça o extra-virgem, é de lata mesmo. Ao lado, uma cesta de pães. Uma pimentinha aqui vai muito bem, obrigado.

CASA PALADINO – Rua Uruguaiana 224, Centro. Tel. 2263-2094. Sega a sex., das 7h às 20h30m. Sába, das 7h ao meio-dia. Não aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 2 – Bar Brasil: onde Paulinho da Viola uniu Alemanha e Minas Gerais através da gastronomia

03/03/2015
Bar Brasil - kassler à mineira

O kassler à mineira do Bar Brasil, o carré defumado, em pedaço alto, servido com arroz, couve e tutu, e um limãozinho, criado a pedido de Paulinho da Viola (bravo!)

No Rio de Janeiro existe um lugar centenário, onde Alemanha e Minas Gerais se encontram, sob as bênçãos de ninguém menos que Paulinho da Viola. E só poderia mesmo ser na Lapa. Inaugurado em 1908, o Bar Brasil ganhou fama ao combinar um chope muito bem tirado (dos melhores do Rio) com um cardápio de iguarias germânicas. Até que o compositor portelense, antigo cliente da casa, teve uma ideia tão simples como incrível: pedir o famoso kassler da casa, mas no lugar dos acompanhamentos usuais (salada de batata e chucrute) ele sugeriu a guarnição à mineira, com arroz, couve e tutu de feijão. Nascia assim uma receita que tem a cara do Rio, não apenas por ser criação de um sambista como Paulinho da Viola, mas também por trazer um toque de irreverência que é a cara da cidade. Nesse caso, podemos pedir pimenta, no lugar da mostarda escura.
Mesmo sem ter um padrinho célebre, compondo o receituário clássico da gastronomia alemã, a lentilha garni é uma espécie de feijoada germânica, e talvez seja o prato mais famoso do Bar Brasil, com lentilhas, salsichão, meia lingüiça defumada, carne assada, kassler, carré de porco fresco e língua fresca. Além das salsichas e salsichões, e um joelho de porco respeitável, outra receita emblemática da casa é o bolo de carne – e, para encerrar, o appfelstrudel, servido com chantilly, bem à moda antiga. Mas só mesmo o kassler à mineira tem sangue azul. Sangue e azul e branco, da Portela.

BAR BRASIL – Av. Mem de Sá 90, Lapa. Tel. 2509-5943. De seg. a sáb., das 11h30m à meia-noite. Aceita cartão de crédito e de débito.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.047 outros seguidores