Posts Tagged ‘bares’

Guia 450 Sabores do Rio 58: Rio Minho, o berço da mitológica sopa Leão Veloso, a bouillabaisse carioca

26/04/2015
A sopa Leão Veloso do clássico restaurante Rio Minho, inaugurado em 1884, na rua do Ouvidor número 10: camarão, polvo, lula, cherne e mexilhões

A sopa Leão Veloso do clássico restaurante Rio Minho, inaugurado em 1884, na rua do Ouvidor número 10: camarão, polvo, lula, cherne e mexilhões

O pote de barro vem fumegando, com camarões VG expostos, corpo mergulhado, rabo saltando do líquido espesso, com tons de tijolo, avermelhados, por conta do urucum, usado no caldo de cabeça de peixe, e do tomate, base importante do tempero refogado. A sopa Leão Veloso foi criada no Rio Minho, no começo do século passado, pelo diplomata de mesmo nome (há quem conteste o autor, mas não o berço da receita), e entrou para a galeria de grandes pratos emblemáticos do Brasil, especialmente do Rio de Janeiro. Inspirado na bouillabaisse, de Marselha, no sul da França, ganhou contornos tropicais, apostando na nobreza marinha – o camarão, o polvo, a lula, o cherne, os mexilhões (às margens do Mediterrâneo, a receita tradicional dos pescados usa os peixes mais baratos, “de fundo de rede”, como se diz). Para encorpar, um truque: um pouco de creme de arroz. Um ramo de hortelã dá um pouco de cor, perfume e frescor. Além da qualidade dos pescados, é notável o ponto de cozimento de cada um dos ingredientes principais, ganhando todos texturas macias, nunca borrachudas. E o tempero vem na medida, e os sabores podem – e devem – ser realçados pela boa pimenta da casa, forte como se deve ser. Coisa de quem está mais do que habituado a fazer o prato. Vale dizer que a meia porção já serve duas pessoas, e pode valer um almoço. Inaugurado em 1884, o Rio Minho tem o charme de ser o restaurante mais antigo da cidade, funcionando há mais de 130 anos no mesmo endereço, o número 10 da histórica Rua do Ouvidor, veia das mais importantes do Rio Antigo. Na parte externa, sem ar-condicionado, alguns pratos são vendidos em versão. O cardápio é um desfile de pratos marítimos, com forte influência ibérica (fundada por portugueses do Minho, hoje é administrada por espanhóis da Galícia). Uma diversidade enorme de pratos de bacalhau, incluindo os ótimos bolinhos que podem ser pedidos de entrada, tem execução segura, à moda tradicionalista, usando postas altas, de alta classe, da melhor qualidade. Existe um grelhado misto que tem adeptos fervorosos, e reúne cherne, polvo, camarões, cavaquinha, mexilhões e lulas, acompanhados de arroz de brócolis, batatas coradas (ruins) e alho frito (o trio clássico que pode acompanhar outros pratos, como os tentáculos vistosos de polvo). A partir de quarta é servido um prato que é absolutamente necessário: o bobó de lagostins, que novamente apresenta os méritos do lugar de maneira enfática: bons ingredientes, técnica de cozinha ancestral e segura, tempero na medida e uma certa dose de amor que encontramos entranhada nesses restaurantes antigos, algo um pouco inexplicável, mas lindamente delicioso.

RIO MINHO – Rua do Ouvidor 10, Centro. Tel. 2509-2338. De seg. a sex., das 11h às 16h. Aceita cartões.

Anúncios

Guia 450 Sabores do Rio 57: Padaria Bassil, na Saara, com mais de 100 anos de tradição, esfihas e pães assados no forno a lenha

25/04/2015
As esfihas da Padaria Bassil, inaugurada em 1913, ficam expostas na vitrine aquecida, ao lado de quibes, pães árabes e manuches

As esfihas da Padaria Bassil, inaugurada em 1913, ficam expostas na vitrine aquecida, ao lado de quibes, pães árabes e manuches: tem de carne, a campeã de vendas, ricota e espinafre

A massa é fina e delicada, macia, e acomoda um recheio úmido de carne, com cebola e a medida exata de temperos. Assada no forno a lenha, a esfiha da Padaria Bassil, na Saara, tem pontos mais tostadinhos, que acentuam o sabor. Expostas em vitrine aquecida, saem aos montes na rotina apressada dos trabalhadores do Centro do rio. Uns comem ali mesmo, na bancada – com os molhos árabes, de limão, feito na casa, de pimenta e de alho – que fica de frente para a parede alvi-negra, homenagem ao Botafogo, cheia de reportagens sobre o lugar. Outros chegam e levam o salgado para viagem. A esfiha de carne é a campeão de vendas, e os outros recheios também são bem cotados, como o de ricota e o de espinafre. Inaugurada em 1913, a casa vive cheia, e o pefume constante das fornadas que saem ao longo de todo o dia chegam até a rua. Além das esfihas, e de ótimos quibes, de carne e de ricota, a Padaria Bassil não tem esse nome à toa, e produz o melhor pão árabe do Rio. Esses pães árabes, aliás, são usados no preparo do manuche, cobertos com zátar, gergelim e azeite. A pequena portinha revela um dos melhores segredos do Rio. E azar de quem não conhece.

PADARIA BASSIL – Rua Senhor dos Passos 235, Centro. Tel. 3970-1673. De seg. a sex., das h às 18h; sáb., das h às 14h. Não aceita cartões.

Salve Jorge, padroeiro dos botequins cariocas

23/04/2015

Devemos desconfiar de um boteco carioca que não tenha um altar dedicado a São Jorge. O santo guerreiro, tão identificado com o Rio de Janeiro, e toda a cultura popular e religiosa, do samba ao candomblé, abençoa grande parte dos botequins da cidade.

Hoje, dia 23 de abril, com São Jorge é festejado, reuni três botecos da cidade que contam com os seus altares.

A Adega Flor de Coimbra, na Lapa.

O Bar da Portuguesa, em Ramos.

O Gracioso, na Gamboa, em foto pré-incêndio.

 

Salve, Jorge!

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 55 – El-Gebal: o árabe mais lindo e saboroso do Saara, quase um segredinho

23/04/2015
Os docinhos árabes, em versão miniatura, do El-Gebal: distintas combinações com massa folheada, frutos secos, mel e água de flor de laranjeira

Os docinhos árabes, em versão miniatura, do El-Gebal: distintas combinações com massa folheada, frutos secos, mel e água de flor de laranjeira

Qual é o melhor restaurante árabe do Saara? Uns apontarão o Cedro do Líbano. Outros citarão o Sírio e Libanês. Poucos serão aqueles que vão se lembrar do El-Gebal, na Rua Buenos Aires, inaugurado em 1958. Menor, tem fachada discreta. Da rua, vemos apenas o balcão, onde muitos clientes apressados fazem as suas refeições ligeiras, ou pegam suas salgados e doces para viagem. Nos fundos está o pequeno restaurante, em ambiente charmoso, meio art deco. O salão pequeno é um achado. As garçonetes são simpáticas e eficazes, e o cardápio desfile aquele clássico repertório de pratos árabes. Com uma vantagem: a cozinha ainda usa uma churrasqueira a carvão, o que faz sempre a diferença no preparo de carnes, incluindo aí as kaftas. Quem tem fome e quer uma panorama completo da casa pode escolher um dos dois rodízios. O mais completo traz quibes (frito e cru) e esfirras, três pastas (coalhada seca, homus e baba ghanouj, simplesmente a melhor do Rio, defumada, equilibrada, de incrível textura), saladas, arroz com lentilhas, músculo com trigo, kafta de cordeiro, michuí de mignon, e aqueles recheados de arroz e carne: folha de uva, abobrinha, berinjela e folha de repolho. Uma festa. O cardápio apresenta outras fórmulas interessantes, os chamados combinados. Neles, montamos seleções como kafta com trigo à moda e salada árabe; quibe de ricota com arroz com lentilha e tabule; e cordeiro com fatuch e repolho recheado, entre outras. Também encontramos coisas que fogem da especialidade, como trilha frita, picadinho, iscas de fígado e couve-flor à milanesa, tudo sempre com tempero caseiro. É, sem dúvida, uma cozinha aconchegante. Ao final, é obrigatório provar alguns dos doces árabes, os melhores da cidade, servidos inclusive em versão menor, para se comer em uma só bocada. São aquelas lindas preparações, bolinhos, ou envelopes com massa folheada (ou aletria), que envolve os frutos secos, como pistache, amêndoas, nozes e damasco, o gergelim, tudo regado a mel e água de flor de laranjeira, em formartos diversos. Um ótimo regalo para levar para casa, e presentear a família e os amigos com tanta ternura adocicada e crocante.

 

EL-GEBAL – Rua Buenos Aires 328, Saara, Centro. De seg. a sex., das 7h30 às 18h; sáb., das 7h30 às 15h. Tel. 2224-2171. http://www.elgebal.com.br

 

Guia 450 Sabores do Rio 53 – Amélie Creperie: galettes e crepes à moda da Bretanha em lugar simpático

21/04/2015
Uma das melhores pedidas atende pelo nome de  Île Saint-Louis: a versão é feita com queijo brie, presunto de Parma (parte dele em preparação crocante, no forno), figo confit, mel trufado e nozes - e chama a atenção a delicadeza da massa

Uma das melhores pedidas atende pelo nome de Île Saint-Louis: a versão é feita com queijo brie, presunto de Parma (parte dele em preparação crocante, no forno), figo confit, mel trufado e nozes – e chama a atenção a delicadeza da massa

 

Inaugurado em março de 2014, a Amélie Creperie é sem dúvida um lugar simpático. Instalado no primeiro piso do Shopping da Gávea, serve galettes (salgadas) e crepes (doces), seguindo a tradição bretã, com massa de trigo sarraceno, além de mais algumas entradinhas e pratos de massa. É um lugar atraente tanto para um almoço ligeiro e leve ou um jantar pré ou pós teatro ou cinema. Para petiscar, o La Concorde é um ótimo abre-alas: um canudo crocante de massa de harumaki recheado com carne de pato desfiada e palmito pupunha fresco salteado em tirinhas, com um vinagrete de alecrim. Outra boa pedida fora da lista de crepes é oVersailles, um ravióli de brie com molho de aspargos e nozes. As galettes são servidas com uma saladinha de folhas vistosas, temperadas com molho de mostarda. E vale pedir uma xícara de cidra para acompanhar (seguindo a tradição, o fermentado de maçã, com baixo teor alcoólico, é servido em xícara de porcelana). As galettes são divididas em duas seções: primeiro, uma lista que mescla combinações clássicas, como Quartier Latin, com presunto, queijo emmenthal e ovo. Uma das melhores pedidas atende pelo nome de Île Saint-Louis. A versão é feita com queijo brie, presunto de Parma (parte dele em preparação crocante, no forno), figo confit, mel trufado e nozes. No recheio. ingredientes de boa qualidade, o contraste de sal e doce, as texturas de diversas densidades. Em todos os casos, chama a atenção a massa, leve e delicada, com furinhos que reforçam essas características, quase uma tela de trigo sarraceno, com um toque de rum. Virtude repetida nos crepes. Na lista dos doces, encontramos o crepe Tour Eiffel, com maçã cozida, caramelo com flor de sal (muito bom o caramelo!) e sorvete de creme; o Jardin des Tuileries, simplesmente com limão e açúcar; o Champs-Élysées, o clássico das ruas de Paris, com Nutella; o Notre Dame, com doce de leite e farofa de castanhas; o Arc de Triomphe, com banana, chocolate belga e chantilly; o Musée d’Orsay, com frutas vermelhas, queijo de cabra boursin e coulis de framboesa; e Sacre-Coeur, com pêra cozida, calda de chocolate belga, amêndoastostadas e sorvete de creme.

 

AMÉLIE CREPERIE –   Shopping da Gávea: Rua Marquês de São Vicente 52, loja 112, Gávea. Tel. 2249-8153. De seg. a qua., das 10h às 22h30; qui., das 10h às 23h30; sex. e sáb., das 10h às 00h30; dom, do meio-dia às 22h30. http://www.ameliecreperie.com.br Aceita cartões.

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 51 – Paris Bar: entre clássicos da coquetelaria e as criações da dupla Alex Mesquita e Daniel Milao

19/04/2015

 

Paris Bar - Negroni

O negroni do Paris Bar, preparado com o gelo maciço, que não derrete: casa trabalha entre a tradição e a modernidade

 

Depois da reforma que renovou toda a gastronomia da opulenta Casa Julieta de Serpa, no Flamengo, nasceu o Paris Bar. O ambiente intimista tem uns seis lugares no balcão, e mais uma meia dúzia de mesinhas baixas. Um clima retrô na decoração, e um misto de tradição e modernidade na coquetelaria. Alex Mesquita e seu fiel escudeiro Daniel Milao preparam toda a linhagem clássica de drinques com elegância e precisão, caprichando na apresentação, com copos e louças cheios de personalidade, muitas vezes pinçados em antiquários. Mas vão muito além disso. Usando técnicas e equipamentos modernos de mixologia a dupla cria coquetéis originais, com defumações, flambagens e gelos densos, maciços, que não derretem. Além disso há uma rara coleção de bitters, alguns feitos por eles, e ingredientes originais, recolhidos por Alex em suas viagens. Negroni, bloody mary, dry martini, cosmopolitan e outros clássicos alcançam a perfeição. Mas bom mesmo é explorar as criações da casa. Uma nova carta de drinques acaba de ser lançada, trazendo receitas acertadas, como o Sir Alex, uma combinação entre uísque irlandês, Chartreuse verde, vermouth temperado na casa e sal de frutas natural, retirado de uma barrica de Malbec (uma ripa de carvalho, com ácido tártarico, madeira que agora é usada para fazer as defumações). Outra novidade é o New Old Fashioned, cujo preparo já é um show. Primeiro o copo é cristalizado, com açúcar negro (um primo do mascavo, trazido da Argentina) e Angostura, com gotinhas de laranja. Depois, club soda, bourbon… Vale a pena tentar um lugar no balcão do bar, não só para acompanhar a preparação dos drinques, muitas vezes com técnicas bem interessantes, mas também para poder papear com Alex e Daniel. Não resta dúvida: é o melhor bar de drinques do Rio. Para completar, o menu é de primeira, porque vem da cozinha do vinho Paris Gastrô, ótimo restaurante, que funciona ao lado.

 

PARIS BAR – Casa Julieta de Serpa: Praia do Flamengo 340, Flamengo. Tel. 2551-1278. Ter. a sáb, a partir das 19h. http://www.bar.julietadeserpa.com.br Aceita cartões.

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 50 – Aconchego Carioca: e a Katia Barbosa escreve um dos capítulos mais importantes da gastronomia brasileira com o seu magnífico bolinho de feijoada

18/04/2015
O bolinho de feijoada do Aconchego Carioca, um ícone da gastronomia brasileira, hoje copiado em todo o país

O bolinho de feijoada do Aconchego Carioca, um ícone da gastronomia brasileira, hoje copiado em todo o país

Inaugurado em 2002, o Aconchego Carioca tem pouco mais de dez anos de  vida. Nem parece. O seu bolinho de feijoada, lançado em 2008, hoje pode ser encontrado em bares e restaurantes de todo o Brasil. E a transformação de diferentes pratos típicos do país em variadas formas de croquete virou uma forte tendência da gastronomia nacional. Com isso, Katia Barbosa inscreveu o seu nome na História da Culinária Brasileira, escrevendo um dos seus mais importantes capítulos. De fato, é algo genial a condensação de uma feijoada em um bolinho que se pode comer com as mãos. A massa, feita de feijão gordo, com o sabor e a textura das carnes suínas curadas, tem a consistência perfeita para, com delicadeza, abrigar o recheio que dá vivacidade e crocância ao conjunto: o verde intenso da couve cortada à mineira, e o torresmo, douradinho, com sua conhecida opulência em termos de textura e sabor. Tipo da coisa que pede, clama, implora, por pimenta malagueta. A casa abusa, e serve junto um copo de batida de limão, um pedaço de laranja e mais um punhado de torresmo… Dessa forma, o bolinho de feijoada do Aconchego Carioca se converteu em ícone. Acontece que este bar acabou virando um dos melhores restaurantes do Rio. Tudo que sai daquele cozinha tem o dom de ser sublime. As almofadinhas de camarão são travesseiros de tapioca recheados de camarão e requeijão. E o camarão na moranga merecia tombamento. A galinhada remete à roça, e faz parte das opções do “zé cultivo”, almoço executivo da casa. E os bolinhos de outras vertentes são tão marcantes quanto os de feijoada. O de feijão branco com rabada já é um clássico. O Pfinho é uma irreverente e genial condensação de um prato-feito clássico, uma porção de bolinhos feitos com massa de arroz e feijão envolvendo um ovo de codorna cozido, servidos com uma cumbuquinha de carne moída. De vez em quando o cardápio é renovado, e surgem acertos como o tartare de carne-de-sol, temperado com um pouco de picles de maxixe e servido com chips de batata-doce. Nessa toada foi criado o nhoque de vatapá. Sim, nhoque de vatapá. A massa não leva nada, nadinha de batata. É só mesmo o vatapá engrossado com farinha até dar o ponto certo. Uma doideira. Bem delicada na textura e intensa no sabor, a massa vem imersa em um caldo perfumado de camarões com gengibre e cebola, com amendoim moído por cima.A costelinha de porco vem laqueada na goiabada, por exemplo. O Aconchego Carioca, fundador do polo gastronômico da Praça da Bandeira, consegue assim ser um dos lugares mais importantes e fundamentais para se entender o que acontece na gastronomia brasileira neste exato momento.

ACONCHEGO CARIOCA – Rua Barão de Iguatemi 379, Praca da Bandeira. Tel. 2273-1035. De ter. a sáb, do meio-dia às 23h; dom., do meio-dia às 17h. www.aconchegocarioca.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 49 – Botto Bar: entre as 20 torneiras de cerveja da casa jorra sempre a Noi Amara, uma das melhores do Brasil

17/04/2015
A Noi Amara é produzida por Leonardo Botto na fábrica de Niterói: com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheia de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano summit e o australiano galaxy

A Noi Amara é produzida por Leonardo Botto na fábrica de Niterói: com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheia de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano nugget e o australiano galaxy

Exibida, encorpada e alcoólica, a cerveja Noi Amara é cotada como uma das melhores do Brasil. Produzida em Niterói seguindo a receita do mestre cervejeiro carioca Leonardo Botto, é deliciosa na garrafa, e consegue ser ainda melhor, como quase sempre acontece, quando servida “on tap”, direto das torneiras. Com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheio de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano nugget e o australiano galaxy. Pois o Leonardo Botto inaugurou o Botto Bar, e quase sempre – tem entre as suas 20 torneiras – a Noi Amara, servida no copo especial para IPAs. Não pode haver lugar melhor para se provar essa cerveja. A escolha de cervejas vendidas na casa geralmente é muito bem feita, criteriosa, com uma seleção de estilos diversos, de marcas de diversas procedências. Difícil ter algo que não seja bom. A cozinha segue a cultura cervejeira, com um apanhado de comidinhas com inspiração nos principais países produtores. Para celebrar a Bélgica, carbonade flamande, clássico da gastronomia flamenga, nacos de carne cozidos em cerveja e gratinados com queijo, macios e saborosos, servido com pão de malte feito na casa. Há deliciosos croquetes de queijo, empanados com massa cabelo de anjo, inspirada na receita do albergue vizinho à Abadia Notre Dame de Scourmont, na Bélgica, produtora da Chimay, a famosa trapista. No menu executivo, encontramos kassler com salada de batatas, lembrando a tradição alemã. E, festejando a cultura cervejeira dos EUA, wings picantes: oito coxinhas de frango fritas e marinadas em molho picante da casa, servidas com molho blue cheese e palitos de aipo. Não poderia faltar hambúrguer. A Inglaterra jamais seria esquecida neste painel, e a homenagem chega em forma de fish ‘n’ chips, claro, com molho tártaro e limão siciliano. A cerveja muitas vezes é usada ns receitas, caso do croquete cremoso a base de pernil assado no chopp. Acompanha molhinho de abacaxi agridoce; e do escondidinho Botto Bar, uma das melhores pedidas da casa: cubos de carne cozidos em molho cremoso de chope e cobertos por purê de aipim ao gorgonzola, tudo gratinado com mix de queijos, e servido em panelinha. Quente pra diabos, e ainda fica melhor se colocar ainda mais umpouco. Pra beber, uma Noi Amara, naturalmente. Encontro de gigante. Sábado rola feijoada. E na trilha sonora, rock, muito rock, muitas vezes tocado ao vivo, por bandas que desfilam repertórios clássicos do gênero.

BOTTO BAR – Rua Barão de Iguatemi 205, Praça da Bandeira. Tel. 3496-7407. De ter. a sáb., das 15h à meia-noite; dom., das 15h às 22h. http://www.bottobar.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 48 – Bazzar Lado B: a comida confortável com jeitinho brasileiro e seu lindo croque sinhá

16/04/2015
O croque sinhá do Bazzar Lado B, em IPanema: Servido em bonita tijela de cerâmica, é a combinação sedosa entre presunto cozido com queijo gruyère suíço, montados em pão de forma e gratinados, conjunto coroado pelo ovo caipira do Sítio Anahata

O croque sinhá do Bazzar Lado B, em Ipanema: servido em bonita tigela de cerâmica, é a combinação sedosa e cremosa entre presunto cozido com queijo gruyère suíço, montados em pão de forma e gratinados, conjunto coroado pelo ovo caipira do Sítio Anahata

 

Dizem que tudo fica melhor com dois ovos por cima. Tese inquestionável. Então, imagine um croque madame com um temperinho caipira. Pois o croque sinhá do Bazzar Lado B, que funciona no segundo andar da filial de Ipanema da Livraria da Travessa, é assim. Perfeito para um café da manhã tardio e preguiçoso. Servido em bonita tigela de cerâmica, é a combinação sedosa e cremosa entre presunto cozido com queijo gruyère suíço, montados em pão de forma e gratinados, conjunto coroado pelo ovo caipira do Sítio Anahata. Sim, comida confortável é a proposta da casa, que tem muitas formas de utilização. Pela manhã serve café, com cardápio específico, que tem, além do croque sinhá, ovos mexidos daqueles cremosos, de amarelo intenso. Ele também brilha em outro prato do menu enxuto e certeiro, composto ainda por sopinhas e saladas, sanduíches, grelhados com molhos e acompanhamentos a escolher, e um time de sobremesas estilo casa da avó. Desta vez cozido, o ovo caipira é um dos componentes da salada de bacalhau, com o peixe confitado em lascas, mesclado a arroz vermelho, cebola roxa, alho confit e folhas orgânicas, tudo com muito azeite, uma delícia ainda maior com uma taça de vinho branco. Ali encontramos clássicos do Bazzar, como o escondidinho de aipim com pato e queijo de cabra da Fazenda Genève, além da famosa tarte tatin. Outra excelente escolha é o hambúrguer, um dos melhores do Rio, seguindo a mais fina linhagem tradicionalista deste sanduíche clássico. A composição leva carne de picanha, com a gordura moída em separado, para dar mais suculência ao hambúrguer. A carne vem com o interior rosado, e a casquinha bem grelhada, coberta com queijo cheddar em estado de derretimento. Ao redor, alho confit, saladinha de rúcula, e dois molhos da casa, barbecue e mostarda. O pão fofinho vai à grelha, ganhando aquelas marcas tostadinhas, e que realçam o sabor. As batatinhas fritas em forma de palito comprido, sequinho, são servidas ao lado. Para encerrar, além da melhor tarte tatin do Rio, que tal um copo de churros, que chega à mesa simpaticamente em tábua de madeira, onde foi estrategicamente colocada uma colherada generosa de doce de leite Aviação, que ganha ainda uma salpicada de flor de sal, para contrapor. Há boas escolhas de vinhos em taça, que variam regularmente. E a carta de cervejas segue a mesma linha: se não é ampla, tem oferta variadas com rótulos bem escolhidos.

 

BAZZAR LADO B – Rua Visconde de Pirajá 572, Ipanema. Tel. 2249-4977. Seg., do meio-dia às 23h; de ter. a dom, das 10h às 23h. www.bazzar.com.br Aceita cartões.

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 46 – Casa do Alemão: um clássico serrano que marcou gerações de gerações de cariocas

14/04/2015
Croquete de carne e sanduíche de linguiça (com mostarda, por favor): o pedido mais clássico entre tantos clássicos da mítica Casa do Alemão, nascida em Petrópolis

Croquete de carne e sanduíche de linguiça (com mostarda, por favor): o pedido mais clássico entre tantos clássicos da mítica Casa do Alemão, nascida em Petrópolis e hoje espalhada pelo Estado, principalmente em estradas, mas com duas lojas no Rio: no Leblon e na Barra da Tijuca

Durante anos, os cariocas só podiam comer os sanduíches, croquetes, doces, biscoitos amanteigados, o canudinho com chocolate e outros produtos da marca Kern, ou seja a Casa do Alemão, quando viajavam para a Região Serrana, na clássica parada nas duas filiais de Duque de Caxias, dos dois lados da pista, perfeito para quem vai, e para quem vem. Mas de uns dez anos para cá a cidade ganhou duas unidades, na Barra da Tijuca e no Leblon. E a vantagem de se estar no Rio, é que se pode aproveitar com mais calma o lugar, e até beber um chope para acompanhar. Agora podemos aproveitar as iguarias germânicas quando der vontade. Grande parte dos clientes pede um croquete (ou dois) e um sanduíche de lingüiça no pão de leite (queijo pode ser pedido à parte, e combina). O croquete é imitado por muitos, mas jamais copiado: tem aquele interior cremoso, o tempero perfeito, e a casquinha crocante. Tem parecido, igual não tem. A linguiça é picante na medida, com um tempero bem dosado, para não assustar as crianças. Nos dois casos, a mostarda escura faz um bem danado. Isso, apesar de haver uma série de produtos que podem ser considerados clássicos também. Entre os salgados, vale destacar o brioche de presunto (ou de queijo, que podem ser usados para montar sanduíches), os cahorros-quentes, com salsichas e salsichões, brancos e vermelhos, as refeições com kassler e eisbein da casa, de primeira linha, com salada de batata e chucrute, os biscoitinhos, e os doces alemães, sem falar em itens menos badalados, mas não menos recomendáveis, como o sanduíche de língua defumada, uma das melhores pedidas do lugar, ainda que pouca gente peça. Também podemos comprar vários desses produtos para levar. A linguiça, por exemplo, é uma das melhores que se pode comprar no Rio para abrilhantar um bom churrasco. Kassler, eisbein, língua s]ao vendidos quase prontos, defumados: a nós, em casa, no conforto do cabe, cabe apenas a fácil finalização.

CASA DO ALEMÃO – Av.Ataulfo de Paiva 644, lojas A e B, Leblon. Tel. 2540-7900. De seg. a qua., de 8h30 à meia-noite; qui. e dom., das 8h30 à 1h; sex. e sáb., de 8h30 às 2h. Matriz em Petrópolis, e outra loja no Rio na Barra da Tijuca (entre outras no interior do Estado). www.casadoalemao.com.br Aceita cartões.