Posts Tagged ‘Centro’

Guia 450 Sabores do Rio 58: Rio Minho, o berço da mitológica sopa Leão Veloso, a bouillabaisse carioca

26/04/2015
A sopa Leão Veloso do clássico restaurante Rio Minho, inaugurado em 1884, na rua do Ouvidor número 10: camarão, polvo, lula, cherne e mexilhões

A sopa Leão Veloso do clássico restaurante Rio Minho, inaugurado em 1884, na rua do Ouvidor número 10: camarão, polvo, lula, cherne e mexilhões

O pote de barro vem fumegando, com camarões VG expostos, corpo mergulhado, rabo saltando do líquido espesso, com tons de tijolo, avermelhados, por conta do urucum, usado no caldo de cabeça de peixe, e do tomate, base importante do tempero refogado. A sopa Leão Veloso foi criada no Rio Minho, no começo do século passado, pelo diplomata de mesmo nome (há quem conteste o autor, mas não o berço da receita), e entrou para a galeria de grandes pratos emblemáticos do Brasil, especialmente do Rio de Janeiro. Inspirado na bouillabaisse, de Marselha, no sul da França, ganhou contornos tropicais, apostando na nobreza marinha – o camarão, o polvo, a lula, o cherne, os mexilhões (às margens do Mediterrâneo, a receita tradicional dos pescados usa os peixes mais baratos, “de fundo de rede”, como se diz). Para encorpar, um truque: um pouco de creme de arroz. Um ramo de hortelã dá um pouco de cor, perfume e frescor. Além da qualidade dos pescados, é notável o ponto de cozimento de cada um dos ingredientes principais, ganhando todos texturas macias, nunca borrachudas. E o tempero vem na medida, e os sabores podem – e devem – ser realçados pela boa pimenta da casa, forte como se deve ser. Coisa de quem está mais do que habituado a fazer o prato. Vale dizer que a meia porção já serve duas pessoas, e pode valer um almoço. Inaugurado em 1884, o Rio Minho tem o charme de ser o restaurante mais antigo da cidade, funcionando há mais de 130 anos no mesmo endereço, o número 10 da histórica Rua do Ouvidor, veia das mais importantes do Rio Antigo. Na parte externa, sem ar-condicionado, alguns pratos são vendidos em versão. O cardápio é um desfile de pratos marítimos, com forte influência ibérica (fundada por portugueses do Minho, hoje é administrada por espanhóis da Galícia). Uma diversidade enorme de pratos de bacalhau, incluindo os ótimos bolinhos que podem ser pedidos de entrada, tem execução segura, à moda tradicionalista, usando postas altas, de alta classe, da melhor qualidade. Existe um grelhado misto que tem adeptos fervorosos, e reúne cherne, polvo, camarões, cavaquinha, mexilhões e lulas, acompanhados de arroz de brócolis, batatas coradas (ruins) e alho frito (o trio clássico que pode acompanhar outros pratos, como os tentáculos vistosos de polvo). A partir de quarta é servido um prato que é absolutamente necessário: o bobó de lagostins, que novamente apresenta os méritos do lugar de maneira enfática: bons ingredientes, técnica de cozinha ancestral e segura, tempero na medida e uma certa dose de amor que encontramos entranhada nesses restaurantes antigos, algo um pouco inexplicável, mas lindamente delicioso.

RIO MINHO – Rua do Ouvidor 10, Centro. Tel. 2509-2338. De seg. a sex., das 11h às 16h. Aceita cartões.

Anúncios

Guia 450 Sabores do Rio 57: Padaria Bassil, na Saara, com mais de 100 anos de tradição, esfihas e pães assados no forno a lenha

25/04/2015
As esfihas da Padaria Bassil, inaugurada em 1913, ficam expostas na vitrine aquecida, ao lado de quibes, pães árabes e manuches

As esfihas da Padaria Bassil, inaugurada em 1913, ficam expostas na vitrine aquecida, ao lado de quibes, pães árabes e manuches: tem de carne, a campeã de vendas, ricota e espinafre

A massa é fina e delicada, macia, e acomoda um recheio úmido de carne, com cebola e a medida exata de temperos. Assada no forno a lenha, a esfiha da Padaria Bassil, na Saara, tem pontos mais tostadinhos, que acentuam o sabor. Expostas em vitrine aquecida, saem aos montes na rotina apressada dos trabalhadores do Centro do rio. Uns comem ali mesmo, na bancada – com os molhos árabes, de limão, feito na casa, de pimenta e de alho – que fica de frente para a parede alvi-negra, homenagem ao Botafogo, cheia de reportagens sobre o lugar. Outros chegam e levam o salgado para viagem. A esfiha de carne é a campeão de vendas, e os outros recheios também são bem cotados, como o de ricota e o de espinafre. Inaugurada em 1913, a casa vive cheia, e o pefume constante das fornadas que saem ao longo de todo o dia chegam até a rua. Além das esfihas, e de ótimos quibes, de carne e de ricota, a Padaria Bassil não tem esse nome à toa, e produz o melhor pão árabe do Rio. Esses pães árabes, aliás, são usados no preparo do manuche, cobertos com zátar, gergelim e azeite. A pequena portinha revela um dos melhores segredos do Rio. E azar de quem não conhece.

PADARIA BASSIL – Rua Senhor dos Passos 235, Centro. Tel. 3970-1673. De seg. a sex., das h às 18h; sáb., das h às 14h. Não aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 56: Ten Kai, um japonês que vai muito além do sushi

24/04/2015
A língua bovina do Ten Kai, servida com limão e molho à base de shoyo: restaurante importa ingredientes japoneses, como minipolvo, lula e gafanhoto caramelizado

A língua bovina do Ten Kai, servida com limão e molho à base de shoyo: restaurante importa ingredientes japoneses, como minipolvo, lula e gafanhoto caramelizado

Cortada em bifinhos finos, a língua bovina é grelhada, a ponto de ficar suculenta e macia. Fatiada, vai à mesa acompanhada de limão taiti e molho de shoyo. Pra comer de palitinho. Um dos melhores restaurantes japoneses da cidade, o Ten Kai, em Ipanema, vai além dos sushis, sashimis e yakisobas. E o músculo bucal da vaca é das melhores pedidas para fugir do trivial. Quem quer o básico não tem do que reclamar ali. Há sushis de salmão e atum, em cortes precisos. Encontramos ussuzukuris de peixe branco servidos em linda louça, com cortes delicados e tempero preciso, de pimenta, gergelim, cebolinha e molho ponzu. As duplinhas são muitas. De camarão e de polvo. Há sempre um combinado de sushis, que pode trazer enguia, pargo (com a pele), lula com sal negro, salmão brulée com ovas do mesmo, e os sashimis variam o tamanho e altura dos cortes de acordo com os peixes, valorizando cada carne, de modo que linguado e robalo são de admirável delicadeza.O tataki de atum é impecável. Os conezinhos de massa crocante recheados com salmão em cubinhos temperado com gergelim agradam iniciantes e iniciados na cozinha japonesa. Os tempurás de lula, camarão e peixe chegam sequinhos e crocantes. E há aquele delicioso repertório de receitas aconchegantes, os arrozes com camarão e ovo, as massinhas tipo noodle chapeadas com shoyo, vegetais e carnes. Mas o que faz do Ten Kai um lugar verdadeiramente distinto são os ingredientes importados diretamente do Japão, escolhidos por Cesar Hasky, sócio do restaurante, que também tem filial no Centro. Além da seleção de saquês, das melhores do Rio, o cardápio da casa pe abrilhantada com aqueles adoráveis minipolvos, macios e de sabor ligeiramente adocicado, as lulas, de textura quase cremosa, e até excentricidades, como o tsukudani inago, ou seja, gafanhoto caramelizado. Na hora da sobremesa, há criações sobre ingredientes típicos do Japão, como o sorvete de chá verde com ameixas, mas também clássicos universais, como o brownie com sorvete e calda de chocolate. Para comer bebendo o licor de ameixas Choya, ácido e docinho, como se faz em casas nipônicas.

TEN KAI – Rua Prudente de Moraes 1.810, Ipanema. Tel. 2540-5100. De ter. a sex., das 19h à 1h; sáb., das 13h à 1h; dom., das 13h à meia-noite. Aceita catões.

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 55 – El-Gebal: o árabe mais lindo e saboroso do Saara, quase um segredinho

23/04/2015
Os docinhos árabes, em versão miniatura, do El-Gebal: distintas combinações com massa folheada, frutos secos, mel e água de flor de laranjeira

Os docinhos árabes, em versão miniatura, do El-Gebal: distintas combinações com massa folheada, frutos secos, mel e água de flor de laranjeira

Qual é o melhor restaurante árabe do Saara? Uns apontarão o Cedro do Líbano. Outros citarão o Sírio e Libanês. Poucos serão aqueles que vão se lembrar do El-Gebal, na Rua Buenos Aires, inaugurado em 1958. Menor, tem fachada discreta. Da rua, vemos apenas o balcão, onde muitos clientes apressados fazem as suas refeições ligeiras, ou pegam suas salgados e doces para viagem. Nos fundos está o pequeno restaurante, em ambiente charmoso, meio art deco. O salão pequeno é um achado. As garçonetes são simpáticas e eficazes, e o cardápio desfile aquele clássico repertório de pratos árabes. Com uma vantagem: a cozinha ainda usa uma churrasqueira a carvão, o que faz sempre a diferença no preparo de carnes, incluindo aí as kaftas. Quem tem fome e quer uma panorama completo da casa pode escolher um dos dois rodízios. O mais completo traz quibes (frito e cru) e esfirras, três pastas (coalhada seca, homus e baba ghanouj, simplesmente a melhor do Rio, defumada, equilibrada, de incrível textura), saladas, arroz com lentilhas, músculo com trigo, kafta de cordeiro, michuí de mignon, e aqueles recheados de arroz e carne: folha de uva, abobrinha, berinjela e folha de repolho. Uma festa. O cardápio apresenta outras fórmulas interessantes, os chamados combinados. Neles, montamos seleções como kafta com trigo à moda e salada árabe; quibe de ricota com arroz com lentilha e tabule; e cordeiro com fatuch e repolho recheado, entre outras. Também encontramos coisas que fogem da especialidade, como trilha frita, picadinho, iscas de fígado e couve-flor à milanesa, tudo sempre com tempero caseiro. É, sem dúvida, uma cozinha aconchegante. Ao final, é obrigatório provar alguns dos doces árabes, os melhores da cidade, servidos inclusive em versão menor, para se comer em uma só bocada. São aquelas lindas preparações, bolinhos, ou envelopes com massa folheada (ou aletria), que envolve os frutos secos, como pistache, amêndoas, nozes e damasco, o gergelim, tudo regado a mel e água de flor de laranjeira, em formartos diversos. Um ótimo regalo para levar para casa, e presentear a família e os amigos com tanta ternura adocicada e crocante.

 

EL-GEBAL – Rua Buenos Aires 328, Saara, Centro. De seg. a sex., das 7h30 às 18h; sáb., das 7h30 às 15h. Tel. 2224-2171. http://www.elgebal.com.br

 

Guia 450 Sabores do Rio 47 – Cuisinart, a cozinha confortável da chef Mirka Lage, e sua lagosta ao thermidor

15/04/2015

 

A a lagosta ao thermidor com purê de batata ao aïoli, uma bela cauda do crustáceo ao molho branco flambado com conhaque e gratinado com gruyère (a foto é do Instagram: @brunoagostinifoto)

A a lagosta ao thermidor com purê de batata ao aïoli, uma bela cauda do crustáceo ao molho branco flambado com conhaque e gratinado com gruyère (a foto é do Instagram: @brunoagostinifoto)

A chef Mirka Lage trabalhou com Roberta Sudbrack. E depois se lançou à carreira solo. Abriu o pequeno restaurante Cuisinart, na rua de Santana, e logo virou queridinha dos funcionários da vizinhança, entre os quais os jornalistas de O Globo, que ajudaram a dar fama ao lugar. A cozinha da casa é carinhosa, afetiva. Entre tantos pratos recomendáveis, existe um ícone: a lagosta ao thermidor com purê de batata ao aïoli, uma bela cauda do crustáceo ao molho branco flambado com conhaque e gratinado com gruyère (a foto é do Instagram: @brunoagostinifoto). Um estrondo, um acontecimento. O prato tem legiões de fãs, que vão até lá, em romaria, nos almoços de sexta, quando o prato é servido (e outros vão atrás da feijoada, das boas). Mas há vários outros que são puro conforto, como bombom de alcatra à milanesa com purê de manjericão ao pomodoro, escondidinho de camarão com batata baroa, e frango xadrez. Todos os dias, há dois “pratos especiais da chef”. São receitas cheias de bossa, com pitadinhas autorais que não corrompem tradições culinárias, como o arroz de pato com castanha-do-pará e cebola assada; A carne assada, seguramente das melhores do Rio, é servida nas tardes de quarta-feira, guarnecida com batatinhas cozidas no molho, tão boas que não são mero coadjuvantes: é das mais carinhosas receitas, e pode ser servido em forma de sanduíche. Terça tem Picanha na brasa com batata rústica em aroma de alecrim ao molho de mostarda al’anciene e cerveja puro malte. Segunda é outro dia concorrido: tem escondidinho de aipim com carne-seca e steak burger à Califórnia, um hambúrguer de carne feito na casa com ricota, tomate cereja assado, molho de mostarda e mel e abacaxi grelhado.

 

CUISINART – Rua de Santana 182, Centro. Tel. 2221-0361. De seg. a dom, das 11h às 15h. Aceita cartões.

 

 

 

Guia 450 Sabores do Rio 25 – Giuseppe Grill: a casa de carnes que aposta na maminha (e nos pescados também)

24/03/2015
Entre tantos cortes recomendáveis do Giuseppe Grill, a maminha ganha destaque pela raridade, e pela execução perfeita, em termos de tempero e tempo de grelha (a carvão!), alcançando uma maciez e suculência difícil de se ver, sendo servida em fatias finas, o que reforça a delicadeza do corte

Entre tantos cortes recomendáveis do Giuseppe Grill, a maminha ganha destaque pela raridade, e pela execução perfeita, em termos de tempero e tempo de grelha (a carvão!), alcançando uma maciez e suculência difícil de se ver, sendo servida em fatias finas, o que reforça a delicadeza da carne

Em algumas regiões do Brasil ela é chamada de ponta de alcatra. Mas na maior parte do país ela atende pelo simpático nome de maminha (ou maminha de alcatra). Já viveu os seus dias de glória, e até os anos 1980 era a carne mais nobre para um bom churrasco. Uma fina camada de gordura garante aquela dose especial de sabor, realçando o gosto delicado de carne, muito vermelha, resultado de uma grande irrigação sanguinea. Tende a ser macia, com a sua estrutura de fibras finas, lisas, macias. Não se sabe bem por quais razões, mas a maminha anda sumida dos menus, e também das churrasqueiras caseiras. Por isso, entre tantos cortes recomendáveis do Giuseppe Grill, a maminha ganha destaque pela raridade, e pela execução perfeita, em termos de tempero e tempo de grelha (a carvão!), alcançando uma maciez e suculência difícil de se ver, sendo servida em fatias finas, o que reforça a delicadeza da carne. Para acompanhar, farofa é suficiente, dando uma textura crocante e absorvendo os sucos que a maminha vai soltando no prato, mas as batatinhas suflê da casa também sempre vão bem. Pena que outras steak houses cariocas não façam o mesmo, só as churrascarias rodízio andam servindo este corte clássico. Além da maminha, vale explorar outras carnes que são especialidade da casa, como prime rib, T-bone, picanha supra-sumo e um lançamento recente, o New York Strip da raça wagyu (simplesmente sensacional). Apesar de ser uma casa de carne, os pescados também brilham, centollas, camarões, garoupas e lagostas enfeitando uma bancada de gelo, na frente da cozinha, antes de irem à churrasqueira, o que fez do lugar um dos melhores do Rio para se comer peixes e frutos do mar. Tem até pampo, peixe tão comum em nossas águas e tão raro em nossas mesas, além de olho de boi, badejo, robalo… Na verdade, nem todos os cortes estão disponíveis sempre, porque dependem do que o mar entrega às redes e anzóis dos pescadores (não é raro vê-los chegando no meio da tarde para entregar a seleção do dia). Mas as vieiras, preparadas na na brasa, quase sempre estão disponíveis. A carta de vinhos acompanha a proposta, com uma seleção ampla de rótulos, com boa variedade de brancos e tintos, incluindo safras antigas, produtores icônicos e algumas verticais de grande importância. Tem filial no Centro.

GIUSEPPE GRILL – Avenida Bartolomeu Mitre 370, Leblon. Tel. 2249-3055. Seg. a qui. do meio-dia às 16h e das 19h à meia-noite; sex. e sáb., do meio-dia à 1h; dom., do meio-dia às 23h. http://www.bestfork.com.br/giuseppegrill/leblon Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 6 – Pastoria, na Gamboa: um cabrito formidável servido com “asseio e prontidão”

07/03/2015
A estrela do Café e Restaurante Pastoria, na Gamboa: eles pegam os melhores pedaços do cabrito (leia-se sempre partes com osso, agarradas e entremeadas a ele) e marinam com cebola, tomate, alho. Sabe aquele esquema de assar no próprio caldo, restando um líquido espesso, com os temperos amolecidos, a gordura diluída (para alegria das papilas e tristeza dos médicos) e o sabor impregnado?

A estrela do Café e Restaurante Pastoria, na Gamboa: eles pegam os melhores pedaços do cabrito (leia-se sempre partes com osso, agarradas e entremeadas a ele) e marinam com cebola, tomate, alho. Sabe aquele esquema de assar no próprio caldo, restando um líquido espesso, com os temperos amolecidos, a gordura diluída (para alegria das papilas e tristeza dos médicos) e o sabor impregnado?

As batatas chegam naquele ponto mais que perfeito de cozimento: macias, quase um purê por dentro, e com uma casquinha dourada, em alguns pontos até crocante. Sobre elas, um pedaço generoso de cabrito, coroado por um molho denso, com base de cebola e tomate, dando suculência e reforçando o sabor do conjunto. A carne se solta do osso ao toque da faca, que sequer seria necessária: uma colher ou mesmo apenas o garfo seria o suficiente para se apreciar o prato, de tão macio que é o cabrito, o prato mais famoso do Restaurante e Café Pastoria, mais conhecido pelo apelido de 28, em referência ao número da casa onde funciona na rua Barão de São Félix, na Gamboa. Não tenho dúvidas de que o prato – que pode ser dividido por duas pessoas – apresenta uma das melhores relações custo-benefício do Rio de Janeiro. Fosse na Zona Sul, seria uma porção menor, e custaria o triplo. Aos 88 (foi inaugurado em 1927), a casa não vive só do magnífico ovino, servindo outros pratos que atraem uma clientela fiel, um cardápio que se divide entre especialidades lusitanas e brasileiras, com receitas como o polvo à portuguesa (muito bom), o bacalhau à espanhola (idem), e à portuguesa (igualmente), a carne-seca com feijão (também, o mocotó com feijão branco (ainda não provei, mas tenho ótimas recomendações). Os pratos saem rapidamente, fator importante na correria do almoço de quem trabalha no Centro. Outro ponto que me chama a atenção é a limpeza do lugar. A cozinha, nos fundos, com janelinha que nos permite observar o que se passa lá dentro, está entre as mais limpinhas da cidade. Não à toa, o cardápio diz que o restaurante serrve “Almoços e jantares com asseio e prontidão”. Tudo verdade, exceto o fato que – hoje – o a casa só abre de 11h às 16h, e nos dias úteis.

PASTORIA (28) – Rua Barão de São Félix 28, Gamboa. Tel. 2263-2438. Seg. a sex., das 11h às 16h. Aceita cartões.