Posts Tagged ‘Praça da Bandeira’

Guia 450 Sabores do Rio 50 – Aconchego Carioca: e a Katia Barbosa escreve um dos capítulos mais importantes da gastronomia brasileira com o seu magnífico bolinho de feijoada

18/04/2015
O bolinho de feijoada do Aconchego Carioca, um ícone da gastronomia brasileira, hoje copiado em todo o país

O bolinho de feijoada do Aconchego Carioca, um ícone da gastronomia brasileira, hoje copiado em todo o país

Inaugurado em 2002, o Aconchego Carioca tem pouco mais de dez anos de  vida. Nem parece. O seu bolinho de feijoada, lançado em 2008, hoje pode ser encontrado em bares e restaurantes de todo o Brasil. E a transformação de diferentes pratos típicos do país em variadas formas de croquete virou uma forte tendência da gastronomia nacional. Com isso, Katia Barbosa inscreveu o seu nome na História da Culinária Brasileira, escrevendo um dos seus mais importantes capítulos. De fato, é algo genial a condensação de uma feijoada em um bolinho que se pode comer com as mãos. A massa, feita de feijão gordo, com o sabor e a textura das carnes suínas curadas, tem a consistência perfeita para, com delicadeza, abrigar o recheio que dá vivacidade e crocância ao conjunto: o verde intenso da couve cortada à mineira, e o torresmo, douradinho, com sua conhecida opulência em termos de textura e sabor. Tipo da coisa que pede, clama, implora, por pimenta malagueta. A casa abusa, e serve junto um copo de batida de limão, um pedaço de laranja e mais um punhado de torresmo… Dessa forma, o bolinho de feijoada do Aconchego Carioca se converteu em ícone. Acontece que este bar acabou virando um dos melhores restaurantes do Rio. Tudo que sai daquele cozinha tem o dom de ser sublime. As almofadinhas de camarão são travesseiros de tapioca recheados de camarão e requeijão. E o camarão na moranga merecia tombamento. A galinhada remete à roça, e faz parte das opções do “zé cultivo”, almoço executivo da casa. E os bolinhos de outras vertentes são tão marcantes quanto os de feijoada. O de feijão branco com rabada já é um clássico. O Pfinho é uma irreverente e genial condensação de um prato-feito clássico, uma porção de bolinhos feitos com massa de arroz e feijão envolvendo um ovo de codorna cozido, servidos com uma cumbuquinha de carne moída. De vez em quando o cardápio é renovado, e surgem acertos como o tartare de carne-de-sol, temperado com um pouco de picles de maxixe e servido com chips de batata-doce. Nessa toada foi criado o nhoque de vatapá. Sim, nhoque de vatapá. A massa não leva nada, nadinha de batata. É só mesmo o vatapá engrossado com farinha até dar o ponto certo. Uma doideira. Bem delicada na textura e intensa no sabor, a massa vem imersa em um caldo perfumado de camarões com gengibre e cebola, com amendoim moído por cima.A costelinha de porco vem laqueada na goiabada, por exemplo. O Aconchego Carioca, fundador do polo gastronômico da Praça da Bandeira, consegue assim ser um dos lugares mais importantes e fundamentais para se entender o que acontece na gastronomia brasileira neste exato momento.

ACONCHEGO CARIOCA – Rua Barão de Iguatemi 379, Praca da Bandeira. Tel. 2273-1035. De ter. a sáb, do meio-dia às 23h; dom., do meio-dia às 17h. www.aconchegocarioca.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 49 – Botto Bar: entre as 20 torneiras de cerveja da casa jorra sempre a Noi Amara, uma das melhores do Brasil

17/04/2015
A Noi Amara é produzida por Leonardo Botto na fábrica de Niterói: com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheia de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano summit e o australiano galaxy

A Noi Amara é produzida por Leonardo Botto na fábrica de Niterói: com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheia de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano nugget e o australiano galaxy

Exibida, encorpada e alcoólica, a cerveja Noi Amara é cotada como uma das melhores do Brasil. Produzida em Niterói seguindo a receita do mestre cervejeiro carioca Leonardo Botto, é deliciosa na garrafa, e consegue ser ainda melhor, como quase sempre acontece, quando servida “on tap”, direto das torneiras. Com uma espuma densa e muito perfumada, é uma Imperial IPA (India Pale Ale), com 10,5% de álcool, cheio de notas cítricas e maltadas. A receita leva cinco tipos de maltes e dois lúpulos diferentes — o americano nugget e o australiano galaxy. Pois o Leonardo Botto inaugurou o Botto Bar, e quase sempre – tem entre as suas 20 torneiras – a Noi Amara, servida no copo especial para IPAs. Não pode haver lugar melhor para se provar essa cerveja. A escolha de cervejas vendidas na casa geralmente é muito bem feita, criteriosa, com uma seleção de estilos diversos, de marcas de diversas procedências. Difícil ter algo que não seja bom. A cozinha segue a cultura cervejeira, com um apanhado de comidinhas com inspiração nos principais países produtores. Para celebrar a Bélgica, carbonade flamande, clássico da gastronomia flamenga, nacos de carne cozidos em cerveja e gratinados com queijo, macios e saborosos, servido com pão de malte feito na casa. Há deliciosos croquetes de queijo, empanados com massa cabelo de anjo, inspirada na receita do albergue vizinho à Abadia Notre Dame de Scourmont, na Bélgica, produtora da Chimay, a famosa trapista. No menu executivo, encontramos kassler com salada de batatas, lembrando a tradição alemã. E, festejando a cultura cervejeira dos EUA, wings picantes: oito coxinhas de frango fritas e marinadas em molho picante da casa, servidas com molho blue cheese e palitos de aipo. Não poderia faltar hambúrguer. A Inglaterra jamais seria esquecida neste painel, e a homenagem chega em forma de fish ‘n’ chips, claro, com molho tártaro e limão siciliano. A cerveja muitas vezes é usada ns receitas, caso do croquete cremoso a base de pernil assado no chopp. Acompanha molhinho de abacaxi agridoce; e do escondidinho Botto Bar, uma das melhores pedidas da casa: cubos de carne cozidos em molho cremoso de chope e cobertos por purê de aipim ao gorgonzola, tudo gratinado com mix de queijos, e servido em panelinha. Quente pra diabos, e ainda fica melhor se colocar ainda mais umpouco. Pra beber, uma Noi Amara, naturalmente. Encontro de gigante. Sábado rola feijoada. E na trilha sonora, rock, muito rock, muitas vezes tocado ao vivo, por bandas que desfilam repertórios clássicos do gênero.

BOTTO BAR – Rua Barão de Iguatemi 205, Praça da Bandeira. Tel. 3496-7407. De ter. a sáb., das 15h à meia-noite; dom., das 15h às 22h. http://www.bottobar.com.br Aceita cartões.

Guia 450 Sabores do Rio 38 – Bar da Frente: um boteco original e imperdível, com seus petiscos deliciosos com nomes impagáveis

06/04/2015
O fofinho de camarão é uma espécie de bolinho de chuva em verão salgada, recheado com o crustáceo envolto em Catupiry. Simplesmente isso...

O fofinho de camarão é uma espécie de bolinho de chuva em verão salgada, recheado com o crustáceo envolto em Catupiry. Simplesmente isso…

Imagine um daqueles bolinhos de chuva, a massa aerada e macia, em versão salgada. Carregando em seu interior delicadamente esponjoso um camarão espetado em um palito, e envolto em uma colherada de Catupiry, é um daqueles petiscos dignos de antologia. Batizado adequadamente de fofinho de camarão, é uma das estrelas principais do Bar da Frente, um desses botecos essenciais para entender o que se passa na gastronomia tradicional do Rio de Janeiro. Com muita imaginação, cuidado e inteligência no desenvolvimento, além de carinho e técnica no preparo, nasceram nos últimos anos várias receitas que trabalham com clássicos do gênero, categoria na qual o Aconchego Carioca é ícone, com os seus bolinhos de feijoada, e outras reinterpretações (e cabe dizer que o bar da Frente funciona no mesmo local de fundação do Aconchego, agora do outro lado da rua, e assim nasceu o nome do bar pilotado por Valéria e Mariana Rezende, mãe e filha, sempre presentes, e amigos da Katia Barbosa, e de toda a turma do Aconchego). Pois o Bar da Frente, é dos mais aconchegantes e cariocas dos botecos. Pequeno, tem a medida exata da intimidade. Vamos ao banheiros, e damos um alô para a cozinha. A varandinha de poucas mesas é muito aprazível, e pedimos alguma das bem escolhidas cervejas da carta, baseada em rótulos nacionais. O repertório de belisquetes é um primor. Além dos fofinhos de camarão, há as mini coxinhas com fondue de queijo. Pois é isso mesmo. O salgadinho em versão miúda é servido junto de um pequeno réchaud que mantém aquecido uma cremosa fonduta de queijo. E se fazer bolinhos virou moda, o Bar da Frente criou uma versão certeira do estrogonofe, a melhor que se tem notícia entre as tantas variações de croquete deste prato de carne, em formato comprido, com interior cremoso e casquinha crocante, para ser passado em batata palha, que vem ao lado. Quer mais? Temos o indecente e delicioso porquinho de quimono, de nome muito bom. Isso porque se trata de um harumaki de massa crocante recheado com costelinha suína defumada e desfiada com requeijão. E o repertório não termina nas entradas, seção que inclui ainda uma das melhores moelas do Rio, cozida em molho de tomate e vinho. Entre os pratos principais, o arroz de rabada está entre os campeões. Os nomes são tão bons quanto a comida. O arroz de puta rica é outro prato ícone, feito com linguiça, carne-seca, frango, filé-mignon, ervilha, cenoura, milho, palmito, azeitona e dois ovos estrelados, coroando lindamente a refeição, farta. Outro exemplo é o camarão à Chica Louca, salteado no vinho branco, com alho poró, que põe um temperinho francófilo neste boteco tão autêntico, e tão carioca. Uma das maiores joias da gastronomia do Rio.

BAR DA FRENTE – Rua Barão de Iguatemi 388, Praça da Bandeira. Tel. 2502-0176. De ter. a sáb., do meio-dia à meia-noite; dom., do meio-dia às 18h. http://www.bardafrente.com.br Aceita cartões.