Gero importa de São Paulo o bollito misto, servido sempre aos domingos, na casa de Ipanema

Na semana passada tive a feliz sorte de almoçar por duas vezes no Gero, uma com uma moça do maeketing de Aspen, outra com um diretor da Antinori..Como sempre, comida e serviço impecáveis. Os vinhos também. E o papo.
Provei pela primeira vez, na quarta, um prato que ainda não conhecia no menu dal giorgo, o risoto de berinjelas com galinha d’angola, delicioso como eu já imaginava, e um adorável cardápio harmonizado com os vinhos da Antinori, na sexta.

A primeira surpresa veio logo que eu entrei na casa. Estava lá o Cadu, para mim o melhor garçom do Rio já há uns três anos. Tanto que eu até votei nele nesta categoria no Prêmio Rio Show. Mas botei lá: Cadu (Vieira Souto).
Mas, bem… ele já estava fora de lá há pelo menos um mês quando dei o meu voto. Fiquei pensando: mas que jornalista mal informado sou eu…
Logo à entrada, outra novidade: um réchaud elegante que eu ainda não tinha visto por ali. Mas e o que é isso?
– É para o bollito misto, que estamos servindo agora, sempre aos domingos – informa o Cadu.
Acho que todos aqui já sabem, mas não custa lembrar que o bollito misto é uma espécie de cozido à moda italiana, prato que faz muito sucesso em São Paulo, servido aos domingos nos mais clássicos endereços italianos. Como o cozido à portuguesa aqui no Rio de Janeiro.
Teve gente que quis morrer quando fechou o hotel e o restaurante Ca d’Oro, no Centro, eterna referência no assunto. Soube de amigos que foram lá no último dia da casa, e saíram da mesa tristes como quem está a caminho de um velório.
Pois é claro que voltei no domingo.
Fiquei sabendo, por exemplo, que a novidade acaba de entrar em cartaz: está sendo servida há um mês. A ideia é logo trazer de São Paulo o lendário senhor Atico, que foi maitre do Ca d’Oro e há meio século já trabalha para o grupo Fasano.


Não neguei o couvert, porque é impossível resistir, especialmente às abobrinhas crocantes, salgadinhas e saborosas.


Para beber, um Taurasi Mastroberardino 1999, simplesmente lindo. O domingo ensolarado merecia.
Até pedi para dar uma olhada no menu, para não perder o hábito, e para distrair.


Logo chega o capeletti in brodo, o início de tudo, aconchegante, com cara de domingo na casa da nonna. Um toque de parmesão ralado na hora. Quando acaba o caldo, restam os pães, para deixar o prato limpinho.
Depois, o cozido propriamente dito. Escolhemos só as carnes e vegetais que quisermos. Já tinha dado uma olhada no carrinho réchaud: um pouco de tudo, claro. Com ênfase no ossobuco de vitelo.


Do lado direito, o cotechino (repara só: é feito dentro do pé de porco, como reza a mais tradicional das tradições). No centro, língua, ossobuco, carne-seca, pra jogar um tempero verde-e-amarelo, além de peito de frango e um naco de carne bovina. À esquerda, os vegetais: cebola miudinha, abobrinha, cenoura, repolho e, dando um toque de brasilidade, batata baroa.
Para dar ainda mais sustância, um purê de tutano, forte, intenso, uma espécie de pirão, cremoso, indispensável para dar enriquecida no prato.

Como dizia, pedi um pouco de tudo.
Para completar, quatro molhos: dois de ervas, uma mostarda de Cremona e raiz-forte, para a gente ficar alternando, colorindo o prato e as papilas, temperando o domingo.


Um close no ossobuco: me dá mais tutano.
Custa R$ 92, e inclui o capeletti e o cozido, e podemos repetirmos o que quisermos, do jeito que preferirmos.

Até pensei em pedir mais um pratinho de capeletti… Mas, não…
No repeteco, fui direto ao ponto: língua (boa demais, olha só na foto, é essa carne fininha em primeiro plano, ali mais à esquerda), ossobuco e cotechino, e ainda ganhei um pedaço de carne-seca, de lambuja.
Não bebi café nem pedi sobremesa, e fui pra casa dar um chochilo antes do plantão noturno.
Voltei pensando: eu mereço. Ainda mais num domingo de plantão.

 

Índice de posts de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro:clique aqui.

Anúncios

2 Respostas to “Gero importa de São Paulo o bollito misto, servido sempre aos domingos, na casa de Ipanema”

  1. Silvana Says:

    Mais uma descrição deliciosa e sobre um prato que acho divino; Encontrei um modo de conhecer o Gero que certamente me agradará e muito! A foto do tutano é perfeita e as carnes patecem bem equilibradas,úmidas e sem muita gordura; obrigada pela dica

  2. Júlio Castro Says:

    Dica maravilhosa.Uma boa lembrança para um domingo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: