Churrascaria Palace: modo de usar

01/04/2021
A entranha, corte preferido no momento – Foto de Bruno Agostini

Já faz mais de dez anos que escrevi um dos posts de maior sucesso no blog #riodejaneiroadezembro (hoje hospedado aqui neste site: para ver todos os posts, clique neste link aqui).

Tinha o seguinte título: “Porcão: modo de usar”.

O texto (neste link) vale até hoje e pode ser aplicado a qualquer churrascaria rodízio, como a Palace, sendo que cada lugar tem suas especificidades, obviamente.

De forma geral, o que pode ser aplicado a qualquer desses restaurantes marcados pela fartura é o seguinte.

1) Chegue o logo chame o maître. Diga que vai deixar a bolacha no vermelho, e que prefere ir pedindo corte a corte, preparado à sua maneira.

2) Pergunte sobre os cortes especias da casa, e a respeito de itens marinhos, como ostras e camarões e peixes, que ficam ótimos na brasa.

3) Explore cortes mais raros e os mais caros. Nessa segunda categoria se enquadram french rack, picanha, prime rib e carnes como javali, pato e jacaré. Evite frango, linguiça e pastel, sobretudo coisas como lombinho no queijo e coração…

Continua no link: https://menuagostini.com.br/churrascaria-palace-modo-de-usar/

Seleção Carioca: três sensacionais casas japonesas em Copacabana para comer carne de porco

01/04/2021
Lámen do Azumi – Foto de Bruno Agostini

Demorou um pouco até a gente entender que cozinha japonesa não se resume a sushi e sashimi. Muito pelo contrário, aliás.

A tradição gastronômica do país tem raízes antigas, forte influência chinesa e outras inspirações culinárias até mesmo inimagináveis: pois sabias que os tempurás são receita de origem portuguesa, que chegou até o Japão via comerciantes que viajavam para a Ásia, tendo Macau como entreposto. Pois pois…

O karê (curry, influência indiana) de porco é um dos pratos mais adorados pelos japoneses, especialmente as crianças, que comem o encorpado, bem condimentado e perfumado caldo de vegetais, servido com milanesa suína, ao menos uma vez na semana, na merenda escolar. Tão amado é o prato que em 1982 ele virou data especial no país: sim, no Japão este é o Dia do Karê.

Continua no site: https://menuagostini.com.br/rio-de-janeiro-a-dezembro-tres-sensacionais-casas-japonesas-em-copacabana-para-comer-carne-de-porco/

Retrato de um Prato: a deliciosa Maria Bonita do restaurante Chapéu de Couro, reduto nordestino em Bonsucesso

17/03/2021

Para além de São Cristóvão da cinquentenária e famosa “Feira dos Paraíbas”, o bairro de Bonsucesso abriga outra referência da cultura e da gastronomia nordestina, mas essa ainda é quase um segredo entre os moradores da Zona Sul e turistas. O Chapéu de Couro não chega a ser um restaurante conhecido, mas merecia. Inaugurado em 1993, sob o comando do cearense Raymundo Pereira, um desses bravos que vieram pro Sudeste em busca de emprego, serve a melhor carne-de-sol da cidade, em distintas versões. 

Continua no site Menu Agostini:
https://menuagostini.com.br/retrato-de-um-prato-a-deliciosa-maria-bonita-do-restaurante-chapeu-de-couro-reduto-nordestino-em-bonsucesso/

Retrato de um Prato: Satyricon celebra os pescados à italiana com o Gran Piatto di Mare

12/03/2021
O gran piatto di mare, para até três petiscarem – Foto de Bruno Agostini₢

“O Satyricon nasceu em 1983, em Búzios, e pouco tempo depois chegou a Ipanema. Desde então, é o melhor restaurante de pescados do Rio, quiçá do Brasil. Numa cidade litorânea, é uma pena que haja poucas casas dedicadas aos peixes e frutos do mar. O Satyricon é um porto seguro. Algumas especialidades estão ainda vivas, mantidas em aquários. Outras, reluzem fresquinhas, entre pedras de gelo. O menos, ali, é mais. Lagostins chapeados com azeite de limão e alho, pargo ao sal grosso, cherne alla “belle meunière”… Um festival de receitas com perfil mediterrâneo, seleção de pratos certeiros para explorar as iguarias marinhas. Entre tantas variações com acento italiano, a melhor pedida é um dos clássicos do restaurante, um apanhado de receitas com o sugestivo e acertado nome de “Gran Piatto di Mare”, definido apropriadamente como “festival de frutos do mar”, que serve duas e até três pessoas.”

Continua no site Menu Agostini: https://menuagostini.com.br/retrato-de-um-prato-satyricon-celebra-os-pescados-a-italiana-com-o-gran-piatto-di-mare/

Só até domingo: A Casa do Sardo lança dois menus degustação para o final de semana

12/03/2021

ATENÇÃO! Para o final de semana estamos com dois festivais: um selvagem e outro marinho: javali e robalo (na foto – e Bruno Agostini₢ – o robalo ao molho perfumado de vinho Vernaccia.

Post completo no link: https://menuagostini.com.br/agenda-do-fim-de-semana-casa-do-sardo-serve-dois-menus-especiais-um-de-javali-e-outro-de-robalo-so-ate-domingo/

Modo de Usar #01: como aproveitar ao máximo a Churrascaria Palace, ícone de Copacabana, a mais tradicional do Rio

11/03/2021
A entranha. Corte raro, do diafragma, macio, suculento e muito saboroso – Foto de Bruno Agostini©

Tem coluna nova no site: Modo de Usar – como aproveitar o melhor de cada bar ou restaurante (afinal, todos têm os seus segredinhos).

“Já faz mais de dez anos que escrevi um dos posts de maior sucesso no blog #riodejaneiroadezembro

Tinha o seguinte título: “Porcão: modo de usar”. O texto vale até hoje e pode ser aplicado a qualquer churrascaria rodízio, como a Palace, sendo que cada lugar tem suas especificidades. De forma geral, o que pode ser aplicado a qualquer desses restaurantes marcados pela fartura é o seguinte.

1) Chegue e logo chame o maître. Diga que vai deixar a bolacha no vermelho, e que prefere ir pedindo corte a corte, preparado à sua maneira.

2) Pergunte sobre os cortes especias da casa, e a respeito de itens marinhos, como ostras e camarões.

3) Explore cortes mais raros e os mais caros. Nessa segunda categoria se enquadram french rack, picanha, prime rib e carnes como javali, pato e jacaré. Evite frango, linguiça e pastel, sobretudo coisas como lombinho no queijo e coração…

No caso da Palace (que abandonou o muito brega e desagradável sistema de bolachas “sinais de trânsito”), eu diria ainda:

Primeira coisa a se fazer é se cadastrar no site para participar do clube do restaurante, que dá relevante desconto: o rodízio cai de R$ 159 para R$ 128, por pessoa.”(Continua no site, neste link aqui).

As melhores novidades de 2020 e algumas apostas para 2021

16/01/2021

Assim como resumimos no post anterior, listando cinco novidades testadas e aprovadas – com louvor – na temporada de 2020 no Rio, agora ampliamos a lista (há vários links ao longo do texto, em cima do nome dos lugares, ou indicados por parênteses, quando não as duas coisas). São mais algumas operações inauguradas no ano passado e outras apostas para 2021).

No apagar das luzes de 2019 abriu as portas o Sult, em Botafogo, e logo apostei que seria das grandes novidades da temporada (para ler, clique aqui). Era dezembro, e a casa funcionou em sistema de soft opening. Oficialmente mesmo, foi em janeiro que este italiano moderno, com cozinha afetiva e excelente carta de vinho, foi inaugurado.

(Continua no site Menu Agostini, neste link aqui: https://menuagostini.com.br/ainda-sobre-2020-so-coisa-fina-as-novidades-de-do-ano-passado-e-as-promessas-para-2021/)

Combinado do chef, no novo Mitsubá – Foto de Bruno Agostini

Menu Agostini: siga a gente no Instagram e no Facebook!

18/11/2020

O site Menu Agostini: siga a gente no Instagram e no Facebook!

Depois de alguns percalços – de ataques de vírus digitais ao CoronaVírus, de quarentenas e outros retardamentos, como trabalhos, viagens etc – este site finalmente está tendo a atenção devida deste editor, que agora está conseguindo sair de casa, visitar restaurantes e provar vinhos e cervejas, num modo minimamente normal.

Dessa pandemia o site incorporou duas novidades. Agora estamos publicando receitas também (posts reunidos nesta página aqui), e há uma nova coluna, Menu em Casa (posts reunidos nesta página aqui), dedicada exclusivamente ao delivery, tendência que já era forte (rappi, iFood e Uber Eats já eram sucesso antes da CoVid-19) mas que ficou ainda mais nesses novos tempos de recolhimento domiciliar.

Então, segue lá a gente no Instagram (@brunoagostinifoto e @menu_agostini) e também a nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/MenuAgostini.
Para os cariocas também tem o @Rio_de_janeiro_a_dezembro e o  https://www.facebook.com/blogriodejaneiroadezembro).
E, para os cervejeiros: https://www.facebook.com/birraagostini

Menu Agostini: siga a gente no Instagram e no Facebook!

Cerveja de Bandeja: a ótima Craft Beer e a cultura do growler (bebida fresca, mais barata e sem lixo)

18/11/2020

Virei adepto e defensor do uso do growler, e das variações em torno do tema: leve o seu vasilhame e encha com cerveja direto das torneiras dos seus bares preferidos.

Foto de Bruno Agostini

Só vejo benefícios.

1) Vamos começar pelo fator ecológico: com o growler não tem geração de lixo, em forma de garrafas e latas, que poluem, cortam os lixeiros e são pesados para o transporte.

Continua no site Menu Agostini. Para ler, clique no link abaixo:

https://menuagostini.com.br/cerveja-de-bandeja-a-otima-craft-beer-e-a-cultura-do-growler-bebida-fresca-mais-barata-e-sem-lixo/

De Bar em Bar: Conheça o Baianinho, e outros endereços da cultura botequeira em Teresópolis (RJ)

18/11/2020
Calabresa no jiló no Bar do Baianinho – Foto de Bruno Agostini

Teresópolis tem tradição botequeira que vem de longe. Desde o saudoso Café Angelo, na Pracinha do Alto, até a Taberna Alpina, no Centro, com seus quase 70 anos de vida (foi inaugurada em 1954), além de outros endereços tradicionais já com uma boa estrada, como o Caldinho de Piranha, de 1994. São muitos os endereços, e variados de tanto investigar –  e mastigar – este assunto que é dos meus preferidos, eu acabei conhecendo muitos lugares que são quase um segredo, como o acanhado e inacreditavelmente bom Recanto do Baixinho, ao lado do Ginásio Pedrão.

Continua no site Menu Agostini. Para ler, clique no link abaixo:

https://menuagostini.com.br/de-bar-em-bar-conheca-o-baianinho-e-outros-enderecos-da-cultura-botequeira-em-teresopolis-rj/